DEU NO JORNAL

CANALHA BANDIDA PROTEGENDO BANDIDO

Gilmar Mendes quer anular a pena de Lula, acusando Sergio Moro de parcialidade no processo do triplex.

Celso de Mello, segundo o Estadão, “sinalizou” que apoia a manobra.

Leia aqui:

“Integrantes da Corte dizem que o ideal é o julgamento ser retomado apenas quando o voto de Celso de Mello estiver ‘amadurecido’, já que a definição do resultado deve caber ao decano – que sinalizou, nos bastidores, a possibilidade de se alinhar a Gilmar e a Ricardo Lewandowski a favor do pedido do petista para derrubar a condenação.”

* * *

É de causar ânsia de vômito.

É phoda!!!!!!!

É pra torar!!!!!!

É pra arrombar a tabaca de Xolinha!!!!!!

CÍCERO TAVARES - CRÔNICA E COMENTÁRIOS

SÃO BENEDITO PRESO NA CADEIA DE PALMARES

O genial poeta paraibano Orlando Tejo, num lampejo de lucidez quase absoluta, definiu em artigo publicado na Revista A REGIÃO/Recife, 1983 que, “Nós, Os Meninos de Palmares”, crônica que abre um dos mais inspirativos livros de memória do gênero já publicado no Brasil, “que nunca leu em nenhum escritor pátrio, nada mais tocante nem de tanta grandeza, nenhuma página mais lírica e eterna do que a referida crônica.”

No último parágrafo do texto, prossegue o poeta, autor do impagável “Zé Limeira – O Poeta do Absurdo”, na sua apreciação: “Nesse delírio, o autor, na companhia de Romildo Pilica, Adeildo Baé, Antonio Maromba e Fernando Gata, os meninos mais felizes de todo os brasis, voam nas asas da liberdade rumo a Pirangi. Eles vão flutuando na grande tarde ribeirinha e, aconteça o que acontecer, não importa, eles vão a Pirangi. E eles são os únicos meninos do mundo que podem ir a Pirangi amorcegando estrelas vespertinas da ilusão. Lembrem-se: somente eles, os grandes vagabundos pequeninos, vão a Pirangi, unicamente eles, os “guardiões do vento, vigias do barulho das águas, apontadores de estrelas, gáveas ao vento, imagens do cão, arteiros.”

Pegando carona nas palavras do genial menestrel sonhador Tejo, menciono como impagáveis obras-primas, também as crônicas: “O circo de Pimpão”, do palhaço cotó, que transformou o sofrer em alegria; “As ruas e os seus nomes”, proezas de alcunha que não se encontra em lugar nenhum do mundo; “O Caixão da caridade”, paletó de madeira que os meninos se divertiam levando os ‘sem pátria’ para sacudir dentro do buraco do ‘nunca mais’; “Os nomes das pessoas”, proeza só existente em Palmares, do adolescente Luiz Berto; “Vaca braba”, mãe da Vaquinha mijona, que sumiu no mundo nas asas dum copo de vidro cheio de cachaça após a mãe encantar-se e nunca mais voltou a Palmares; “Telles”, O enigmático decifrador, cuja filosofia de vida era comer, cagar e dormir; “A Prisão de São Benedito”, alegoria beneditina que dá título ao livro; “A mulher de Alfredinho”, o corno inconformado que jurou dar um tiro de traque no autor; “A viagem a pé para Brasília”, a ousadia de seis aventureiros que tornaram Palmares mais famosa para os nativos do que o pousar do homem à Lua; “Dr. Sebastião Espírita”, o curandeiro picareta de letras indecifráveis; “A Manobra da carreta”, a aventura de um carreteiro sulista que fez Palmares parar; “Biu do Tacho”, o cachaceiro que chamava o governador, o prefeito e o delegado de ladrão às escondidas; “Luiz Guarda”, o misterioso homem de óculos de lente que matava todos os ladrões sem dó nem remorso; “Veludo do Pife”, o homem que morreu esquecido pelas novas gerações; “Amaro”, o homem da Coreia que vendeu de tudo e findou vendendo pitomba; “Dona Heloísa”, a professora frágil, dócil e delicada, que abriu as fronteiras do conhecimento para o adolescente Berto; “Mané Peito-de-Aço”, o homem que se inspirou em Tarzan, herói americano, e foi parar na Ilha de Itamaracá; “O Doido e o bêbado”, o doido que aproveitou a distração dos policiais, desapegou-se das amarras para não ficar na Tamarineira; “Uma história de corno”, o traído que pagou a viagem da ex esposa com o pé de lã; “Manoel Dionísio”, o homem que dizia que ‘mulher com ele não arenga; se arengar, não ganha; se ganhar, não leva; se levar, é dentro!’ E por último, aquela história tocante, comovente, eterna que, entre todas desse fantástico livro de reminiscência, merece uma ode a parte: “O velho rabeca”, o carnavalesco puro sangue que enxergava na arte do pastoril o sonho de registrar para a posteridade sua verve debochada, escrachada, escatológica, seu modo prazeroso de enxergar a vida e vivê-la eternamente. Encantou-se sem deixar sucessor!

Eis por que “A Prisão de São Benedito e outras histórias” caiu no gosto popular, encanta o mundo e é sucesso absoluto de venda e crítica até hoje.

ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

TROVAS DE GERALDO AMÂNCIO

Dos sofrimentos das massas
A cantoria nasceu
Canta a história das raças
Que a própria história esqueceu.

As violas afinadas
Nos desafios medonhos
Sonorizam as madrugadas
Enchendo as noites de sonhos.

Ódio da lembrança eu varro,
Rancor eu nunca guardei,
Por saber que eu vim do barro
E a ele retornarei.

Vencer não é recuar,
Só podem vencer um dia,
Os que aprendem a voar
Com as asas da ousadia.

Da ânsia de almas sedentas
De amor, beleza e magia,
Eu fabrico ferramentas
Pra construção da poesia.

Quando a noite vai embora
Nas bordas do amanhecer,
O parto sem dor da aurora
Faz a luz do sol nascer.

Cuida o homem do roçado,
Ara a terra, cava e planta,
Quando escuta no telhado
A canção que a chuva canta.

Meu coração todo dia
Depois que envelheceu
Adquiriu a mania
De lembrar quem me esqueceu.

Geraldo Amâncio Pereira é poeta, repentista, trovador, cordelista e contador de causos. Nascido no sítio Malhada da Areia, município do Cedro, Ceará, em 29 de abril de 1946. Cursou faculdade de História em Fortaleza. Começou com acompanhamento de viola em 1966. Participou de centenas de festivais em todo o país, e classificou-se mais de 150 vezes em primeiro lugar. Organizou festivais internacionais de repentistas e trovadores, além do festival Patativa do Assaré. É autor das três antologias sobre cantoria em parceria com o poeta Vanderley Pereira. Gravou 15 CDs ao longo da carreira, além de ter publicado cordéis em livros. Apresentou o programa dominical “Ao Som da Viola”, na TV Diário em Fortaleza.

DEU NO JORNAL

RECORDISTA EM CANA

O ex-governador do Rio Sérgio Cabral foi condenado a mais 33 anos, 3 meses e 13 dias de prisão.

É a 12ª condenação dele na Lava Jato.

Somadas, as penas chegam a 267 anos.

* * *

Um número significativo e que engrandece qualquer currículo: 267 anos cagando de cócoras no aparelho do presídio.

Dois séculos e mais 67 anos.

Ou, ainda, dois séculos e meio, e mais 17 anos.

100 + 100 + 50 + 17

São números que não chegam nem perto das quantias que o apadrinhado de Lula roubou.

Mas são algarismos bastante significativos na vida de um orgulhoso corrupto.

Um recorde banânico.

MARCELO BERTOLUCI - DANDO PITACOS

OPINIÕES ANTIGAS

Eu tenho a mania de colecionar revistas antigas. Volta e meia eu releio uma revista que comprei nos anos 80 ou 90. Acho interessante comparar o que mudou e o que não mudou no mundo desde então. A forma de viver mudou muito, mas ao mesmo tempo certos hábitos e certos conceitos permanecem imutáveis. Como exemplo, vejam alguns trechos de uma edição de 1983 da revista SOMTRÊS (onde o colunista fubânico José Nêumanne Pinto era um dos críticos musicais).

A primeira coisa interessante é a apresentação de um produto – no caso, um microfone – produzido por uma certa indústria brasileira. Na matéria, o jornalista cita declarações do presidente da indústria:

“Mesmo que custe mais barato, não é justo tirar emprego dos brasileiros comprando componentes de fábricas no Japão ou nos Estados Unidos.” Certamente o industrial acha justo que todos paguem mais caro, porque o João, e não o Bill ou o Massao, não pode perder o emprego.

“Os microfones estrangeiros não têm nenhuma garantia. E, no entanto, continuam entrando milhares de aparelhos por mês, pelo contrabando.” Agora ficou mais claro: o consumidor não sabe escolher, por isso compra “errado”. O governo deve então “proteger” o consumidor, obrigando-o a comprar o produto X e não o Y.

A conclusão do artigo também é bastante esclarecedora:

“O industrial oferece explicações minuciosas sobre os processos industriais, defende tenazmente a indústria nacional, mas se recusa a revelar o preço de seu produto: ‘Ora, dizer simplesmente quanto custa um equipamento não reflete a longa experiência do fabricante, sua seriedade no trabalho e nem suas responsabilidades sociais. Nós temos 40 anos de experiência e fabricamos um bom microfone. Ponto final.’ “

E você, consumidor, achando que tinha direito de saber quanto pagar… Nada disso: você deve pagar aquilo que o fabricante acha que o produto dele vale, incluíndo aí todas as virtudes que ele mesmo se atribui. Claro que para isso é importante que o governo ajude, proibindo que você, pobre consumidor, caia no erro de querer escolher onde gastar seu dinheiro.

A repetição incessante da afirmação que “as pessoas não sabem escolher e alguém deve tomar conta delas”, que todos nós ouvimos desde crianças, sem dúvida é eficiente. Vejam o que aparece na seção de cartas da revista:

“Quero fazer um protesto […] em nome de todos os amantes de música internacional. Algumas gravadoras mutilam seus lançamentos, assassinando as capas dos discos. Encartes com letras e ficha técnica são suprimidos, sem contar o material de baixíssima qualidade. […] Será que alguém pode tomar alguma providência?”

Bem, meu caro, quem deve tomar alguma providência é você. Se o produto não lhe agrada, não compre. Compre do concorrente. É assim que funciona o mercado. É bem verdade que por aqui não há mercado, já que o governo proíbe você de comprar os discos vendidos em outros países e o obriga a comprar a versão fabricada aqui, que segundo você é pior. Ainda bem que existe o governo para tomar conta de nós, não é mesmo?

Mas em outra seção, a revista entrevista um advogado fã de ópera, que se queixa da falta de apresentações líricas em nossos teatros, e sugere:

“O município devia entrar com verbas para garantir a temporada lírica oficial. [..] No Brasil, há muito pouca probabilidade de um Placido Domingo se apresentar por aqui. [..] O custo é altíssimo.”

Não é uma maravilha? Eu gosto muito de uma coisa, mas não quero pagar o preço “altíssimo”. Então o governo deveria usar o dinheiro dos outros para bancar aquilo que eu gosto.

Trinta e seis anos depois, as coisas não mudaram muito. Não acho que vá ser diferente nos próximos trinta e seis.

A PALAVRA DO EDITOR

FALA, SENHOR JUIZ!

Pelo que apurei, este julgamento aconteceu no mês de julho passado.

O Juiz Márcio Luiz Cristofoli, de São Miguel do Oeste-SC, condenou dois sujeitos pelo bárbaro assassinato de um advogado.

Vale a pena ouvir o que falou o magistrado:

XICO COM X, BIZERRA COM I

DONA JUSTA ESTÁ NUA

Procura-se roupa decente para vestir a Justiça. Qualquer pano, qualquer trapo ou retalho que não seja uma toga. Sem venda a lhe tapar os olhos, despida de princípios de pesos justos em sua balança e com a espada embainhada contra os costados do humilde povo, a outrora honrada dona Justiça desfila nua pelas ruas, palácios e tribunais, pelas esquinas sinistras do Planalto, escarnecendo a todos e assumindo sua porção prostituída de caráter duvidoso que não resiste ao menor tilintar de moedas à sua frente. A origem do metal vil que corrompe – diretamente ou não, é o que menos importa: de Empresários ou Políticos provenientes, ele perverte da mesma forma e avilta com a mesma força. Pobre de quem nela um dia acreditou. Dona Justiça hoje habita o mais degradado dos cabarés e se entrega, lânguida e voluptuosamente em lascívia permanente com os poderosos e seus interesses inconfessáveis. Dona Justa está nua e sua venda a esconder-lhe a visão nada mais é que uma fraude.

Toda a série FORROBOXOTE, Livros e Discos, disponível para compra no site Forroboxote. – Link BODEGA. Entregas para todo o Brasil.

DEU NO JORNAL

UM CINEMATOGRÁFICO PICA-DOCE

A atriz Jane Fonda, de 81 anos, foi uma das 16 pessoas detidas em um protesto de ativistas ambientais em Washington, nos EUA, nesta sexta-feira (11).

Vídeos nas redes sociais mostram a atriz sendo algemada e levada em uma viatura policial.

O protesto do grupo Oil Change International exigia medidas contra o aquecimento global.

* * *

Essa notícia brilhou em manchetes do mundo inteiro semana passada.

Jane Fonda presa, algemada e levada por policiais.

E eu logo me lembrei da sensualíssima Jane Fonda da minha juventude, interpretando Barbarella, uma produção de 1968.

O fato é que quando li a notícia, lembrei-me de um coisa curiosa.

Jane Fonda foi casada com o cineasta francês Roger Vadim, o diretor de Barbarella, que encantou-se no ano de 2000.

No meu ponto de vista pessoal, eu admiro muito Vadim não pelos seus filmes, mas pelo fato de ter sido casado com três grandes divas do cinema mundial: Brigitte Bardot, Catherine Deneuve e Jane Fonda.

Era um tremendo dum pica-doce!!!

Ele se deu até ao luxo de escrever este livro:

“Minha vida com as três mulheres mais bonitas do mundo”

Sujeito amostrado que só a porra!

Mas ele estava certo e coberto de razão.

Um cabra que enrabou este trio, merece todo o meu respeito e admiração.

Brigitte Bardot, Catherine Deneuve e Jane Fonda

A PALAVRA DO EDITOR

ANTHONY QUINN, UM ZORBA MEXICANO

O pesquisador de filmes de faroestes, Darci Fonseca, faz uma observação bastante interessante sobre o ator mexicano Anthony Quinn, a respeito de sua feiura. Diz ele: Algo que nunca mudou nas plateias dos cinemas foi a vontade de admirar, nas telas, rostos bonitos como Greta Garbo, Robert e Liz Taylor, Cary Grant, Tony Curtis, Alain Delon, Marylin Monroe, Rock Hudson, Sophia Loren e as gerações de Tom Cruise para frente. Diante dessa realidade, só mesmo com muito talento para um FEIO como Anthony Quinn, com seu rosto enorme, inconfundível e com aparência mestiça, para poder vencer como ator. Inicialmente ator característico com seu tipo bruto e violento, interpretando índios, latinos e até piratas. Com o tempo o cinema percebeu e reconheceu que Anthony Quinn, mais que qualquer outro ator, era capaz de tornar um filme memorável independente do personagem por ele vivido. Nos westerns foi também assim e Anthony Quinn pouco a pouco passou da condição de figurante para a de coadjuvante e logo a astro de grandes filmes do gênero, sendo um dos maiores da história do cinema.

Anthony Quinn era um ator tão versátil que conseguiu brilhar mesmo contracenando com um monstro sagrado como Kirk Douglas, em atuação igualmente impactante. Quinn contracenou com Kirk Douglas como seu antagonista em um filme faroeste espetacular apropriadamente batizado DUELO DE TITÃS(1959). Sua figura já havia alcançado prestígio mundial quando apareceu ao lado de nomes de peso como Omar Shariff em “Lawrence da Arábia” e esteve junto de Gregory Peck em “Os Canhões de Navarone” Entre esses, sua ótima performance em “As Sandálias do Pescador”.

Em todos esses filmes, mesmo que em meio a um elenco estelar, Anthony Quinn sempre conseguia se fazer notar, se destacando com notável desembaraço. Ele conseguia transmitir credibilidade não importando em que papel alcançou impressionante resultado protagonizando “Barrabás” (1961) e “Zorba o Grego” (1964). Todos facetas múltiplas de um ator cuja versatilidade não tinha limites. Na vida pessoal também era um homem de muitos papeis: Estudou arquitetura, casou outras duas vezes, foi pai, escritor, como também na vida real Anthony Quinn era um pintor autodidata, tendo se interessado pela arte durante sua adolescência, e depois de adulto chegou a conquistar elogios do crítico de arte e a ter seus quadros exibidos em galerias de arte no México, Los Angeles, Nova York e Paris.

Por ser mexicano, o grande sonho que Anthony Quinn demonstrava era seu interesse em viver na tela o guerrilheiro mexicano, Emiliano Zapata no filme VIVA ZAPATA!!! Porém, o diretor do filme Elia Kazan não aceitava outro ator que não fosse Marlon Brando para ser Emiliano Zapata. Sem chances de protagonizar a vida de seu conterrâneo Emiliano, Anthony Quinn foi convidado para desempenhar o irmão de Zapata, Eufêmio Zapata. Aceitou para poder participar daquele filme que falava da importante revolução ocorrida no seu país.

Viva Zapata!!! foi considerado o melhor filme norte-americano sobre a Revolução Mexicana. O realismo das imagens é impressionante, Brando está magnífico como Zapata e a cena da morte do líder camponês é antológica. Kazan conseguiu o milagre de transformar uma história política despida de ideologia num filme que envolve o espectador pelo heroísmo pessoal e inconsciente de Zapata. No elenco destaca-se a presença de Joseph Wiseman como um agente comunista e de Jean Peters (a atriz que não sorria). Anthony Quinn, ainda que não totalmente à vontade como Eufêmio, pois queria mesmo era ser Zapata, acabou recebendo um belo prêmio de consolação que foi o Oscar de Melhor Ator Coadjuvante de 1952.

Afora o fato de o livro ZORBA, O GREGO ter sido transposto para o cinema com grande sucesso e o emblemático Anthony Quinn tenha encarnado o papel com uma exuberância espetacular, Zorba é um livro fascinante e provocativo. Todos os que amam a leitura deveriam lê-lo. Ele mostra o lado bom da vida e nos inspira a querer manifestar o nosso melhor. Quanto ao filme, na sua sinopse trata de um escritor inglês que chega a Grécia e pega um navio, pois vai até Creta para trabalhar em uma mina que herdou do pai, um grego de nascença. Logo ele conhece Alexis Zorba (Anthony Quinn), um determinado camponês grego que também quer trabalhar na mina. Os dois acabam indo se hospedar em um pequeno hotel administrado por uma velha prostituta francesa que é cortejada por Zorba, que encoraja seu amigo escritor para dar atenção a uma bela viúva, que é muito desejada pelos homens do local. Tanto o livro vale a pena lê-lo, do mesmo jeito o filme vale a pena assisti-lo.

Consta que o apelido “ONE-MAN TANGO” foi dado a Anthony Quinn pelo cineasta Orson Welles. A expressão se refere a alguém tão autoconfiante, que seria capaz de dançar um tango sozinho. “One-man Tango” é o nome da autobiografia de Anthony Quinn – o homem que fez mais de 150 filmes, foi ator, diretor e produtor, além de pintor e escritor. Em 2001, ele interpretou seu último papel, no filme “Vingando Ângelo”. Pouco depois das filmagens, Anthony Quinn faleceu de complicações pulmonares decorrentes de um câncer na garganta aos 86 anos de idade.

Assista esta apresentação da comunidade grega em plena rua de Ottawa no Canadá com a magistral cena final do filme “Zorba o Grego” (1964), com Anthony Quinn e Alan Bates, incluindo a famosa música e dança. Grande história, roteiro, fotografia, música e um dos melhores finais de filme de todos os tempos.

DEU NO JORNAL

PRIQUITO FORTE

A revista IstoÉ que circula esta semana publica reportagem de capa sobre Rosângela da Silva, a “Janja”, namorada que Lula nomeou para uma boquinha em Itaipu Binacional, com sede no Paraná, onde recebe salário de R$17 mil mensais, o dobro da média salarial da estatal.

A revista mostra que agora ela dá ordens à cúpula do PT e até manda pagar despesas.

Transformada em porta-recados de Lula, Janja distribui orientações gerais à cúpula do PT e até a políticos como Fernando Haddad.

Mostrando força, a namorada de Lula “escanteou” a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, colocada em uma espécie de “geladeira”.

O ilustre presidiário petista garante a dedicação de Janja prometendo casar com ela tão logo deixe a prisão.

* * *

Briga de priquitos é uma pugna da pesada.

Voa pentelho pra todos os lados.

O fato é que Janja ofuscou Amante e passou até mesmo a gerenciar o estabelecimento de propriedade do presidiário Lula, aquele bando que usa a sigla partidária PT.

A galêga de narizinho arrebitado está pra enfiar o dedo no furico e rasgar, de tanto ciúme.

Agora, além do “triângulo amoroso”, passa a existir também o “triângulo petralhoso”