DEU NO TWITTER

DEU NO TWITTER

DEU NO TWITTER

DEU NO TWITTER

DEU NO TWITTER

DEU NO TWITTER

DEU NO TWITTER

DEU NO TWITTER

CHARGE DO SPONHOLZ

DEU NO JORNAL

SALADA CURITIBANA PARA UM BAGRE ENSABOADO

Deonísio da Silva

São Paulo é uma das maiores cidades do mundo e a maior metrópole brasileira, originalmente uma localidade designada Piratininga pelos índios, primeiros habitantes do Brasil. Era uma pequena vila até o Século XIX. Imigrantes e migrantes mudaram a cidade para sempre. Piratininga tem o significado de peixes secando ou peixes ao sol, cena frequente depois que recuavam as águas nas enchentes do rio Tietê.

Este recurso dos padres letrados, sobretudo jesuítas, e de tantos de seus seguidores, fez com que as localidades fossem vinculadas a personagens ou nomes cristãos, alguns dos quais mais tarde foram postos de lado, como é o caso de Curitiba (a 8ª em população), Salvador (a 4ª), Brasília (a 3ª, cuja fundação é associada ao sonho de um padre italiano) e Rio de Janeiro (a 2ª).

Salvador chamou-se originalmente São Salvador da Bahia de Todos os Santos; o Rio foi São Sebastião do Rio de Janeiro. E Nossa Senhora da Luz dos Pinhais de Curitiba tornou-se Curitiba apenas.

Durante os primeiros séculos já despontavam outras cidades da importância das citadas, com a óbvia exceção de Curitiba, posta em relevo quando se abrem os caminhos para o Brasil meridional alguns séculos depois do Descobrimento.

Atualmente, Fortaleza, Belo Horizonte, Manaus, Recife e Porto Alegre completam a lista das dez maiores metrópoles brasileiras.

Por que de repente o Brasil ficou mais difícil de compreender? Porque mais de 200 milhões de habitantes vivem hoje em muitas outras cidades e as coisas decisivas não acontecem mais onde sempre aconteciam. Rio e São Paulo ainda são as maiores caixas de ressonância do País? Certamente, mas desde há algum tempo o grupo por elas liderado, como Recife e Porto Alegre, têm outros integrantes.

Dentre esses novos afluentes às cidades liderantes, Curitiba é “a pequena notável”, a Carmen Miranda destas metrópoles, a cantora brasileira mais famosa até hoje, entretanto nascida em Portugal, que estrearia com esta marchinha tão simples: “Taí, eu fiz tudo p’rá você gostar de mim/ Oh! meu bem, não faz assim comigo não!/ Você tem, você tem que me dar seu coração”.

Ligar Curitiba a Carmen Miranda nesta inusitada metáfora é um modo desarrumado de ver o Brasil a partir de outro viés, subindo para outro mirante. Mas permite ver sob novo prisma sérias mudanças, muitas das quais ainda em curso e decisivas para o futuro imediato de nosso País, precisamos ir a Curitiba e pesquisar os efeitos devastadores da Operação Lava a Jato, que fez novo perfil para entendermos a nação brasileira. Nele a pátria aparece roubada por uma diabólica aliança entre criminosos da política e da economia.

Carmen Miranda prosseguia com estes versos a canção que a revelaria ao Brasil e ao mundo: “Essa história de gostar de alguém/ já é mania que as pessoas têm/ Se me ajudasse Nosso Senhor/ eu não pensaria mais no amor”.

Tal como aconteceu com a irrupção de Carmen Miranda no cenário brasileiro e internacional, a pequena que se fez notável agora é outra. Veio do Judiciário.

E vem alcançando trunfos espetaculares. O maior deles foi o seguinte. No dia 7 de abril do ano passado, por sentenças judiciais exaradas em Curitiba e em Porto Alegre, Luiz Inácio Lula da Silva, um migrante de Pernambuco, que viera para São Paulo em busca de sobrevivência, mas que fizera carreira política no sindicalismo e tinha sido presidente da República, eleito e reeleito, foi preso em São Bernardo do Campo, na grande São Paulo, e levado a Curitiba, onde está preso até o dia em que escrevo esta coluna.

Aplicava-se a ele a curiosa expressão popular bagre ensaboado, isto é, de difícil captura, uma vez que o sabão o deixa liso e ele escapa das mãos dos pescadores. É também comum designar peixe graúdo a grande personagem em qualquer campo.

Mas não é apenas o “bagre ensaboado” que está lá. Nas redes de Curitiba caíram outros peixes graúdos. Por lá já passaram longas temporadas ou ainda estão por lá o ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, que é do Rio; o ex-ministro e referência solar do Partido dos Trabalhadores, José Dirceu, de Santa Rita do Passa Quatro (a cidade se chama assim porque um riacho passava quatro vezes pela povoação), o empresário Marcelo Odebrecht, o maior do Brasil, que é de São Paulo, e o ex-ministro Antonio Palocci, que é de Ribeirão Preto.

São longos os braços que Curitiba estendeu sobre o Brasil. E nas últimas semanas, o ex-juiz Sérgio Moro, atual ministro da Justiça, e o procurador Deltan Dall’Agnoll, figuras-símbolos da Operação Lava a Jato, continuavam liderando as notícias que levaram o País inteiro a um grande clássico, não mais do futebol, como se um jogo do Flamengo e do Corinthians decidisse o maior campeonato brasileiro, mas se o Brasil vai ou não mudar seus modos de gerir a res publica, a coisa pública, a República Federativa do Brasil.