GEORGE MASCENA - SÓ SEI QUE FOI ASSIM

JÁ OUVIU FALAR NA ILHA DE SANTA HELENA E DO BRASILEIRO QUE SALVOU UM AEROPORTO?

Santa Helena é uma ilha vulcânica no Atlântico Sul entre o Brasil e a África, conhecida por servir de prisão para Napoleão Bonaparte até a sua morte, a casa em que viveu e o seu túmulo são atrações aos visitantes. O isolamento criava uma atmosfera perfeita e natural para exilar adversários políticos da coroa, um príncipe zulu, bôeres sul-africanos e 3 príncipes do Bahrein também visitaram a ilha involuntariamente. É lá que vive o animal terrestre mais velho do planeta, um jabuti de 175 anos (foto). Tinha tudo para virar um importante destino turístico, mas como, se lá não tinha aeroporto?

A ligação entre a ilha e a África do Sul, país que tem fortes laços com Santa Helena pelo fato de ambos pertencerem à comunidade britânica, era feita exclusivamente via marítima, um navio levava e trazia pessoas e mantimentos uma vez por mês, a viagem durava 5 dias.

Como a ilha tem um relevo montanhoso, construir um aeroporto despenderia muito dinheiro e sempre foi deixado de lado, até que uma empresa teve a ideia de construí-lo no único lugar plano de Santa Helena, próximo a um penhasco de mais de 300 metros de altura. Pra se construir esse aeroporto, tiveram que antes construir o porto para desembarcar as máquinas e materiais necessários a essa construção, já que o que tinha era pequeno, o que tornou o aeroporto ainda mais caro. Depois de pronto, deu-se conta de outro problema: com rajadas de ventos laterais constantes e uma pista de pouso pequena, ficava impossível de se pousar um grande jato como Boeing ou Airbus, e os aviões pequenos não tinham autonomia para ir e retornar até o continente africano, a solução era abandonar tudo e voltar para o transporte naval mensal, que já estava sendo desativado, e esquecer o turismo, mas um brasileiro salvou tudo: o jato Embraer E190.

Uma equipe da fábrica brasileira (foto) foi até Santa Helena (via Recife), fez os testes e aprovou a operação. “Agora não dá mais para desistir”, as palavras do Comandante Cará ecoaram estoicamente pelo interior do Embraer E190, assim que decolamos do Brasil. Só então parei para pensar com lucidez sobre o que nos aguardava: uma pequena ilha vulcânica no coração do Atlântico Sul. Nos desfiladeiros dessa ilha, um “aeroporto fantasma”. Rondando o aeroporto, ventos inclementes”, publicou o site da Embraer.

O teste foi um sucesso e de cara a empresa aérea sul africana Airlink comprou duas aeronaves. O primeiro voo foi festa na comunidade. Hoje a ilha conta com um voo semanal para Johanesburgo na África do Sul. Se interessou em conhecer? As passagens de ida e volta para Johanesburgo custa cerca de R$ 5.000,00 por pessoa e dura menos de 5 horas.

PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

POEMA DE GRATIDÃO – Abílio Barreto

Lembra-me, Mãe querida, a glória que me deste,
A alegria do lar no lençol de cravinas,
A mesa, o livro, o pão e as canções cristalinas,
As preces de ninar, no humilde berço agreste.

Ao perder-te, no mundo, o carinho celeste,
Vendo-te as mãos em cruz, quais flores pequeninas,
Fui chorar-te, debalde, ao pé das casuarinas,
Buscando-te a presença entre a lousa e o cipreste!…

Entretanto, do Além, caminhavas comigo,
Vinhas, a cada passo, anjo piedoso e amigo,
Guardar-me o coração na fé radiante e calma.

E, quando a morte veio expor-me à noite escura,
Solucei de alegria, em preces de ternura,
Em te revendo a luz, conduzindo minha’alma!…

Colaboração de Pedro Malta

J.R.GUZZO

SUBMUNDO DA VIGARICE

Se existe uma coisa fácil de identificar, no meio deste Brasil tão confuso de hoje, é o sujeito que gosta de ladrão. Está se falando, aqui, de gente que manda ou influi em alguma coisa na vida pública — uma “autoridade”, como se diz. A descoberta da turma que dá expediente no Pró-Crime não exige prática nem habilidade. Basta olhar para qualquer dos Três Poderes da República e prestar atenção no seguinte: se a autoridade A, B ou C toma a decisão de mudar daqui para ali a apreciação de qualquer ato de ladroagem, ou o julgamento da conduta de qualquer político, o cidadão já pode ir tirando o cavalo da chuva. A bandidagem de primeira classe conseguiu, mais uma vez, bater lindamente sua carteira — ou, pelo menos, está tentando fazer o possível para isso. Quase sempre leva, quando tenta.

A recente traficância em torno de quem manda no Coaf é um exemplo clássico da primeira modalidade de vigarice que o submundo da “engenharia política” aplica em você. Chega a ser cômico, de tão grosseiro que é, o “modo de usar” manipulado pela politicalha no caso. Que raio pode ser esse Coaf? Uns 99% dos brasileiros não sabem o que é isso, nem querem saber. Mas tenha certeza de que aquele 1% que sabe, porque trabalha no pedaço, sabe extremamente bem o que é esse negócio, para o que serve, como se tira vantagem dele e tudo o mais que se pode imaginar de ruim a respeito. Trata-se de um “Conselho de Controle de Atividades Financeiras” — criado para produzir “inteligência financeira” destinada a combater crimes como a lavagem de dinheiro e o financiamento ao terrorismo. Pois bem: 14 membros de uma Comissão Mista do Congresso, por uma diferença de três votos, decidiram mudar o Coaf “daqui para ali”. Em vez de ficar no Ministério da Justiça, de Sergio Moro, passará para o Ministério da Economia, de Paulo Guedes.

Mas as atividades do Coaf não se ligam muito mais à esfera da Justiça e da polícia do que da economia? Sim, só que ninguém está pensando nisso — o que estão pensando, isso sim, é onde ficaria mais seguro, para eles, encaixar a repartição que vigia a lavagem de dinheiro. Quer dizer que os funcionários da Economia são mais frouxos do que os da Justiça, ou mais dispostos a proteger os criminosos? De jeito nenhum. Não há a menor suspeita de que a equipe de primeira linha montada pelo ministro Guedes possa se meter nesse tipo de coisa. Mas aí é que está: a avacalhação dos políticos brasileiros chegou a tal extremo que qualquer mudança feita por eles levanta automaticamente as piores desconfianças. É como foi dito acima: se mexeram no Coaf, é porque estão atrás de alguma safadeza em seu benefício. O fato de 100% dos deputados e senadores do PT presentes na comissão terem votado a favor da alteração acaba com a conversa: é o selo de garantia definitivo de que a intenção da operação é apoiar a roubalheira.

A segunda modalidade de atuação do Pró-Crime, que muda a esfera onde se julgam os acusados de violar o Código Penal, ficou expressa na também recente decisão do Supremo Tribunal Federal, pelo voto decisivo de seu presidente, Antônio Dias Toffoli, de mudar para as Assembleias Legislativas o poder real de apreciar os crimes cometidos por deputados estaduais. O Supremo resolveu que eles têm, agora, a mesma “imunidade” dos parlamentares federais. É a ação da “banda podre” do STF, reforçada ultimamente pelo ministro Celso de Mello. De Toffoli, julgado oficialmente, e por duas vezes, sem qualificação mínima para ser juiz de direito, é isso mesmo o que se poderia esperar; ele é um desses casos de “o passado me condena, e o presente também”. De Celso Mello, firma-se a convicção de que a melhor contribuição que pode dar ao país é fazer aniversário no dia 1° de novembro do ano que vem — quando chegará aos 75 anos de idade e terá de ir embora do STF.

Tudo isso é mais um chute nas instituições. Elas vêm sendo destruídas há 30 anos, aliás, como resultado direto da obediência à “Constituição Cidadã” — que foi feita, vejam só, para dar instituições ao Brasil.

A PALAVRA DO EDITOR

UM LEITOR MUITO ESPECIAL

Tá fazendo uma semana hoje que este fato se assucedeu-se.

Eu estava visitando Palmares, minha terra de nascença, onde fui dar uma entrevista à Rádio Cultura, a emissora local.

Uma entrevista que postarei aqui muito em breve. Não posso deixar passar esta oportunidade de me amostrar conversando besteiras pra milhares de ouvintes.

Pois lá em Palmares fomos almoçar, eu e a patota que me acompanhava durante a entrevista, num restaurante que fica bem perto da rádio, no outro lado da pista da BR-101. O Restaurante Nordestão.

E lá fomos eu, Aline, Ellen, irmã de Aline, Fábio, meu concunhado, e mais uma parelha arretada composta por dois queridos xeleléus: Reginaldo e Walter. Uma dupla de amigos/irmãos que mora no fundo da minha estima.

Reginaldo é coronel da reserva e já foi comandante do Batalhão da PM de Palmares.

Walter é divulgador e promotor de vendas da Bagaço, a minha editora. Bate o Brasil inteiro como um excelente camelô da cultura literária nordestina.

E Walter, um palmarense da gema, tem uma interessante particularidade: ele não apenas vende os meus livros, mas é também um profundo conhecedor de todos eles. O cabra sabe tudo decorado e repete pra quem quiser ouvir.

Esse Walter é meu xeleléu baba-ovo registrado em cartório e com direito a atestado!

Reginaldo e Walter, meus amigos, meus irmãos, meus fieis xeleléus

Fomos lá no Restaurante Nordestão porque Walter me avisou quando saímos da rádio:

– Tem uma pessoa que quer te conhecer.

Para minha grande surpresa, a pessoa que queria me conhecer era o dono do estabelecimento, um carioca chamado Romulo.

Ele é formado em Engenharia Química, já viajou pelos cinco continentes, foi empresário de transportes no Rio de Janeiro e, pra resumir a história, bateu com os costados em Palmares, gostou da terra e por lá se estabeleceu com um restaurante.

Um lugar arretado, cercado de árvores, com uma decoração bastante criativa e um ambiente muito acolhedor.

Além de serviço e cardápio de primeiríssima qualidade. Atesto, confirmo e dou fé.

Pra minha grande surpresa, Romulo já tinha lido O Romance da Besta Fubana e, conforme me disse, a impressão que o livro tinha lhe causado foi o principal motivo que o levou a se estabelecer na cidade.

Ficara fascinado pelo enredo e por aquele estranho local onde a história toda se desenrola.

Minino, confesso a vocês que fiquei ancho que só a porra!!!

Uma deferência muito especial pra um pobre dum escritureiro, contador de fuxicos e de histórias daquela beirada de rio.

E Romulo fez uma verdadeira conferência sobre o meu livreto, enquanto eu permanecia extasiado e de boca aberta.

Este Editor no Restaurante Nordestão ao lado do proprietário Romulo, um leitor muito especial e que aparece na foto segurando uma ilustração da Besta Fubana

E Romulo me disse mais: que estava pra lançar uma cachaça ecológica, fabricada por ele mesmo, de altíssima qualidade, que vai ter no rótulo a imagem da Besta Fubana, ostentando a sua vigorosa pica, conforme está estampado e descrito no corpo do meu livro: “Uma bimba e duas carreiras de peitos“.

Eu fiquei honrado e feliz que só a peste.

Brigadão por tudo, meu caro Romulo!

Que você tenha muito sucesso em todos os seus empreendimentos e que a Besta Fubana te proteja e te guie.

Rótulo da futura cachaça Nordestão, com a Besta Fubana e sua pica imponente

Mas o melhor foi no final: a conta da comilança foi cortesia da casa.

Se eu soubesse disso com antecedência, teria comido bem mais!!!

E deixo aqui a dica pra toda comunidade fubânica que viaja por estes Brasis:

Quem passar pela Mata Sul de Pernambuco, viajando pela BR-101, o restaurante fica logo na entrada da cidade, do lado direito de quem vem do Recife.

Quem quiser dar um passeio na página do Nordestão, clique aqui 

Não deixem ver todas as fotos estampadas na página. Sobretudo as de comidas!

E tem também a página no Facebook, que pode ser acessada clicando na imagem abaixo:

AUGUSTO NUNES

TROCANDO AS BOLAS

Haddad acusa Jair Bolsonaro de tratar a educação com o mesmo carinho demonstrado por Lula

“Se a educação básica é tratada com descaso pelo atual governo, a educação superior é vista como verdadeira inimiga. A afirmação de que é preciso priorizar a educação básica sempre serviu de pretexto para sufocar a educação superior sem que nada, em geral, fosse feito por ambas”.

Fernando Haddad, desocupado desde outubro, em artigo publicado na Folha, com a autoridade de quem foi instalado no Ministério da Educação por um ex-presidente presidiário que acha leitura “pior que exercício em esteira”, fugiu da escola “porque era preguiçoso” é só deu as caras em universidades para receber títulos de doutor honoris causa ofertados por reitores sabujos.

* * *

AMANTE RAIVOSA

Gleisi sai novamente em defesa de Lula e deixa claro que o partido que virou bando continua empenhado em destruir o Brasil

“O PT tem compromisso com o povo brasileiro e com a democracia. Somos contra a reforma da previdência e lutamos por Lula Livre, porque não há democracia com retirada de direitos e quando uma farsa judicial prende o maior líder do país político do país”.

Gleisi Hoffmann, deputada federal e presidente do PT, conhecida pelo codinome Amante no Departamento de Propinas da Odebrecht, usando o Twitter para reafirmar que o partido que virou bando odeia cada vez mais o Brasil.

CHARGE DO SPONHOLZ

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

MARCELO BERTOLUCI – CURITIBA-PR

Excelentíssimo Editor:

Com a aproximação da manifestação que, segundo alguns, determinará os rumos do país, sugiro à comunidade fubânica a leitura deste excelente texto de Roberto Rachewski.

Segue trecho:

“Por que não devemos deixar as ruas vazias de manifestações?

O que importa se há um movimento organizado ou liderando manifestações populares? Se as manifestações são populares, basta para elas serem legítimas duas coisas: haver manifestantes do povo e haver sobre o que se manifestar.

No Brasil, esse país de mentalidade coletivista estatista, até para se manifestarem contra o autoritarismo do governo as pessoas comuns querem alguma forma de dirigismo. Haja gosto pela subserviência e aversão ao protagonismo.

Qual a necessidade de se seguir um líder que colocará a cara para bater por você em primeiro lugar? Será covardia? Será timidez? Será baixa autoestima? Quando a manifestação é legítima, uma pessoa sozinha já pode protestar.

Deixe de ser um indivíduo de segunda mão. Uma sociedade de indivíduos de segunda mão será sempre uma nação de quinta categoria. Pegue a sua bandeira, pegue a sua camiseta, pegue o seu cartaz e vá para as ruas defender o seu autointeresse racional como cidadão. Não pense que você está defendendo o governo X ou Y.

Não seremos seres humanos livres e independentes se não defendermos a nossa liberdade, a nossa propriedade, para podermos fazer as nossas próprias escolhas morais em busca dos nossos propósitos.”

Leia o texto completo clicando aqui

Saudações fubânicas

A PALAVRA DO EDITOR

DEU NO JORNAL

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

ARMANDO ALMEIDA – SÃO PAULO-SP

Saudações de São Paulo, Berto !!!

Caríssimo Berto, segue comprovante da “fortuna” que estou dedicando para uma vida longa desta Gazeta.

Contribuição possível neste momento conturbado pelo qual todos passamos, mas mesmo assim, com esperanças de melhoras, isso se nosso preclaro Bolsonaro e seus blue-caps se dispuserem a parar de fazer asneiras.

Veja na foto abaixo, este benfeitor e o incrível Falcão um ano e meio atrás, quando estava gravando uma reportagem para o Fantástico.

Abração!!!

R. Meu caro, você usou de ironia e botou “fortuna” entre aspas.

Fique sabendo que Chupicleide mandou dizer que toda e qualquer doação de colunistas e leitores é mesmo uma fortuna. Sem aspas.

Ela ficou doidinha de alegria!

Quanto aos blue-caps de Bolsonaro, todos nós estamos torcendo pra que eles parem de fazer asneiras.

Sua foto com Falcão mostra uma parelha de cabras lindos e joiados.

Tá uma belezura e veio na medida pra enfeitar essa gazeta escrota.

Aproveito a oportunidade pra alegrar o nosso sábado com uma terna e comovente música de Falcão, intitulada Oportunida Única.