PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

OS SAPOS – Manuel Bandeira

Enfunando os papos,
Saem da penumbra,
Aos pulos, os sapos.
A luz os deslumbra.

Em ronco que aterra,
Berra o sapo-boi:
— “Meu pai foi à guerra!”
— “Não foi!” — “Foi!” — “Não foi!”.

O sapo-tanoeiro,
Parnasiano aguado,
Diz: — “Meu cancioneiro
É bem martelado.

Vede como primo
Em comer os hiatos!
Que arte! E nunca rimo
Os termos cognatos.

O meu verso é bom
Frumento sem joio.
Faço rimas com
Consoantes de apoio.

Vai por cinquenta anos
Que lhes dei a norma:
Reduzi sem danos
A fôrmas a forma.

Clame a saparia
Em críticas céticas:
Não há mais poesia,
Mas há artes poéticas…

Colaboração de Pedro Malta

COMENTÁRIOS SELECIONADOS

OBRAS FORAM EM BENEFÍCIO DE LULA, MAS…

Comentário sobre a postagem CASAMENTO

Goiano:

Quanto à prisão de Lula, só Sponholz ainda não entendeu que ele é inocente:

“Em seu interrogatório, o ex-presidente do Grupo Odebrecht, Marcelo Odebrecht, declarou que a empresa realizou reformas no sítio em benefício de Lula, mas negou que as obras tivessem relação com o esquema de corrupção na Petrobras…”

Veja mais clicando aqui.

* * *

M A S . . .

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

WILSON MONTEIRO – PALMARES-PE

Estimado amigo.

Ainda extasiado de alegria pela sua oportuna visita ao nosso programa, como, um patrimônio palmarense, sinto-me agradecido pela honrosa visita, retribuindo-lhe com o carinho e fraternal amizade que sempre permearam a nossa salutar convivência, mesclada pelo respeito e admiração mútua.

Rogo ao Criador que multiplique a sua talentosa criatividade, para o bem e o enriquecimento cultural da nossa terra palmarense.

R. Meu caro, eu é que tenho de agradecer pela generosa acolhida que tive no seu programa, onde recebi um tratamento de estrela e de celebridade.

Num mereço tanto, meu querido amigo!

Brigadão mesmo.

Agora, só falta você me mandar, conforme prometido, uma cópia completa da entrevista. Que é pra eu me amostrar pros leitores desta gazeta escrota.

O programa de Wilson Monteiro, Nos Tempos do Ferroviário, é apresentado todos os sábados, a partir das 8:30 na Rádio Cultura dos Palmares, a maior audiência da Mata Sul do estado de Pernambuco.

Muito obrigado também pela camiseta que você me presenteou, além dos sete de seus discos.

Tô curtindo suas músicas e suas interpretações no rádio do meu carro. Em breve colocarei também aqui no JBF.

Um grande abraço e mais sucesso ainda, seu cabra doido!!!

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

CÍCERO TAVARES – RECIFE-PE

Editor Berto,

Publique, por gentileza, essa lembrancinha ao nosso gigante de alma divina que hoje fica mais jovem, sábio e de bem com o mundo:

Dr. José Paulo Cavalcanti Filho:

O homem por detrás do charuto que conheci no ano de 2004 e, sem saber quem eu era, autorizou a secretária a me mandar subir até o primeiro andar do escritório de advocacia da Avenida Agamenon Magalhães, onde estava a me esperar para um bate-papo descontraído.

Um bate-papo que para mim dura até hoje, pela a atenção que me foi dispensada.

Naquele momento, ouvi-o falar pela primeira vez que estava com o projeto da biografia de Fernando Pessoa.

Chiquinho, tenho filhos maravilhosos, já plantei árvores, mas preciso escrever um livro para completar minha odisseia” – disse-me o biógrafo de Fernando Pessoa que hoje fica uma criança mais sábia, com o coração sempre aberto à simplicidade que a vida nos proporciona.

Feliz primavera, homem de Deus.

É o que te deseja este teu amigo do coração.

Chiquinho

R. Hoje pela manhã, a primeira mensagem de zap que passei, às 6:30, foi para o nosso estimado colunista fubânico, dando parabéns pelo aniversário dele.

E ele me respondeu de imediato.

José Paulo, o ilustre aniversariante do dia, é um amigo muito especial e pelo qual tenho uma grande admiração.

É um privilégio para esta gazeta escrota contar no seu quadro de colaboradores com um dos maiores juristas e intelectuais do Brasil.

O quadro abaixo reproduzido está no Blog do Nêumanne, comandado pelo grande jornalista brasileiro José Nêumanne Pinto, também colunista do JBF:

GOIANO BRAGA HORTA - ARCO, TARCO E VERVA

EM CUBA OS HOMOSSEXUAIS NÃO SÃO PERSEGUIDOS

Mariela Castro (filha de Raúl Castro, presidente de Cuba até 2018), que dirige o Cenesex – Centro Nacional de Educação Sexual de Cuba, e que é também ativista LGBT, anunciou na sua página oficial no Facebook que o Ministério da Saúde decidiu cancelar a Conga dada a atual dificuldade vivida pelo país, que se prepara para enfrentar a pior crise econômica em décadas.

Tendo um grupo, de revoltadinhos com isso, resolvido fazer uma manifestação em 11 de maio deste 2019, com o objetivo de protestar pelo cancelamento daquele que é um desfile pelos direitos LGBT contra a homofobia, e que é patrocinado anualmente pelo governo cubano, a polícia de Cuba a interrompeu.

A direita leu o noticiário, se alvoroçou e gritou que as esquerdas têm um discurso mas agem de modo diferente – até o contrário do que diz defender, perseguindo e reprimindo os gays de ambos os três ou quatro sexos.

Não é nada disso.

A história, a verdadeira história, é a seguinte.

A Conga é realizada há mais de dez anos no DIA NACIONAL CONTRA A HOMOFOBIA DE CUBA (!).

Cuba, apertada, sem dinheiro para financiar a Conga, cancelou-a este ano.

A culpa é dos norte-americanos.

Contingenciamento, justificariam as autoridades brasileiras, ocorresse aqui o corte.

Houve então uma manifestação contra o cancelamento da Conga.

O governo Cubano reprimiu a manifestação.

Cuba não é propriamente um paraíso das liberdades, de modo que o governo resolveu cancelar tá cancelado, e quem achar ruim tem de ficar na sua, igual era aqui na época da ditadura militar que tem gente querendo de novo.

Resumindo: Cuba tem não só um órgão (epa!) destinado à educação sexual, cuja diretora é ativista LGBT, como tem um dia nacional contra a homofobia e o governo vem financiado há mais de dez anos uma marcha a favor da defesa dos direitos dos homossexuais.

Vou desenhar: não houve uma repressão à viadagem na Ilha, Cuba tem até um dia lindo dedicado a combater o ódio aos homossexuais, o que (apesar dos pesares, tratando-se de um país comunista, os quais nem sempre têm primado por práticas filosoficamente e originalmente esquerdistas) é uma das características das esquerdas, consistindo na promoção da igualdade mediante a defesa dos direitos dos perseguidos por preconceitos.

JESUS DE RITINHA DE MIÚDO

CONTÍCULO

Ela partiu me deixando com os velhos CD’s. Alguns de tão arranhados já não tocavam mais. Apenas choravam abandonados.

Como o meu coração.

O jarro com as flores mortas sobre a mesa de canto, em silêncio, sofria por mim.

Pelas flores também.

O livro de capa dura jogado sobre o sofá, contando a história dramática do príncipe morto – sua donzela morrera também – dizia de um amor sem felicidades ao final.

Como o nosso.

O prato sujo sobre a mesa, com os talheres cruzados ao meio, em xis, chorava ante o copo seco, lamentando por sua última refeição.

Na cama do quarto ao lado os nossos lençóis, abraçados aos travesseiros, gemiam também em triste pranto.

Pelo mesmo motivo.

O Cristo na cruz, de cabeça voltada para o chão no símbolo de sua não vida, pregado na parede da sala, era um recado sombrio da angústia dessa separação.
Braços inertes e pernas arriadas. Membros sem forças.

Como os meus.

Enquanto eu a via descer rua abaixo, mochila da separação nas costas, lembrava-me de versos lidos na porta de um banheiro público.

“Ao sair,
levou-me com ela
e nesse instante
deixei de existir.”

Uma porta triste.
Como a minha recém fechada.

(Os versos entre aspas são do poeta Álvaro Campos)

PENINHA - DICA MUSICAL