PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

CETICISMO – Augusto dos Anjos

Desci um dia ao tenebroso abismo,
Onde a dúvida ergueu altar profano;
Cansado de lutar no mundo insano,
Fraco que sou, volvi ao ceticismo.

Da Igreja – a Grande Mãe – o exorcismo
Terrível me feriu, e então sereno,
De joelhos aos pés do Nazareno
Baixo rezei, em fundo misticismo:

– Oh! Deus, eu creio em ti, mas me perdoa!
Se esta dúvida cruel qual me magoa
Me torna ínfimo, desgraçado réu.

Ah, entre o medo que o meu Ser aterra,
Não sei se vivo pra morrer na terra,
Não sei se morro pra viver no Céu!

Colaboração de Pedro Malta

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

FERNANDO AUGUSTO LEAL – TERESÓPOLIS-RJ

Sr. Editor,

Uma contribuição para o melhor e mais combativo jornal do Brasil.

Uma ilustração que é a cara das esquerdas brasileiras.

Publique, por favor.

Um grande abraço.

R. Fique tranquilo, caro leitor.

O incansável viajante fubânico Ceguinho Teimoso, esquerdista militante, vai explicar direitinho estas preferências dos seus camaradas.

Atualmente Ceguinho está em Havana, onde não tem internet, depois de ter passado um mês em Caracas.

Mas assim que ele chegar, vai responder você.

Aguarde.

JESSIER QUIRINO - DE CUMPADE PRA CUMPADE

A PALAVRA DO EDITOR

UM PRESENTE BEM ARROCHADINHO

Segundo informações obtidas pela editoria desta gazeta escrota, o presidiário Lula recebeu um magnífico presente lá na sua confortável cela curitibana.

Foi por ocasião da última visita íntima.

A gerente do falido PT, codinome Amante na lista de propinas da Odebrecht, presentou seu patrão com uma magnífica música.

Uma composição da grande artista banânica Valesca Popozuda, que aqui vai de brinde pros leitores fubânicos, nesta linda manhã de terça-feira.

Uma música bem gostosa e arrochada intitulada Meu Cu É Teu 

JESUS DE RITINHA DE MIÚDO

GLOSA PRA UM PÉ-DE-RABO

Este flagrante aí de cima deu mote:

Um pé de rabo invocado
Faz até cego enxergar

E aqui vai a glosa:

Me deixa doido varado
Pela boca espumando
Se acaso vejo passando
Um pé de rabo invocado.
Se tiver um rebolado
Cadenciando o andar
Divino no molejar
Com pouco pano no meio
Digo sem nenhum receio
Faz até cego enxergar.

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

JACOB FORTES – BRASÍLIA-DF

INTENTO MALSUCEDIDO

Há na literatura espanhola uma expressão proverbial segundo a qual quien calla otorga. A bem dizer, quem não se manifesta contra uma atitude a ela acede.

Todos sabemos, os brasileiros mais singelos sabem, que os Ministros do Supremo Tribunal Federal são merecedores de cardápios condignos às suas indiscutíveis honorabilidades e estaturas doutorais, mas arbitrar para que o dinheiro do contribuinte banque iguarias e manjares principescos é lampejo de insensatez que não faz honras à sabedoria que historicamente pauta as ações dessa erudita e avisada casa de Justiça. Afora isso, resta considerar hipoteticamente a existência de um particular sentimento de desapreço à pátria natalícia; devastada por desigualdades sociais. (Faz parecer que os Ministros não foram fecundados no ventre brasileiro).

Agindo dessa maneira, mandando comprar vinhos de marca e lagostas especiais, o STF, ao invés de ofertar quinhão de auxílio para que o Brasil comece a melhorar as feições, comece a pôr a vestidura da prosperidade, presta seu contributo mantenedor das chagas sociais.

Portanto, consigno minha discordância, ínfima, a esse intento malsucedido; além de malsinar o renome da douta Casa, desampara o exercício da razão e, ademais, suscita o repúdio nacional sobremodo na maioria, esbofada, sobrevivendo apenas do essencial.

Se não se tem fármaco para remediar as dores desta Terra, vexada, chagada, não a tornemos mais enfermiça.

Se em dado momento o STF acometeu-se da falta de siso — e isso não é tragédia porque a perfeição é exclusividade de DEUS — que tenha a humildade para refluir: admitir o engano, perimir o intento. “O primeiro degrau para a sabedoria é a humildade”.

PENINHA - DICA MUSICAL