DEU NO JORNAL

DECLARAÇÃO DE UM IDIOTA ALIADO DO PT E AMIGO DE LULA

DEU NO JORNAL

CHARGE DO SPONHOLZ

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

SONIA REGINA – SANTOS-SP

Sr. Editor, bom dia.

Recebi por e-mail o vídeo anexo.

É um desabafo com apenas 2,23 min.

Mas achei as criticas muito graves.

Acho que merece uma postagem no Jornal da Besta Fubana,

Grata.

R. Fique tranquila, cara colunista fubânica.

O nosso querido amigo Ceguinho Teimoso vai desmentir tudo isto que Lobão falou sobre ele.

Aguarde.

Ele vai se pronunciar ainda hoje.

AUGUSTO NUNES

HOMEM HONRADO NÃO É ESPÉCIE EXTINTA

Sergio Moro encerrou prematuramente a vida de magistrado para comandar o Ministério da Justiça e da Segurança Pública por acreditar que, no novo cargo, disporia dos instrumentos legais necessários para intensificar o combate à corrupção cinco estrelas e, simultaneamente, desencadear a guerra inadiável às organizações criminosas que controlam o sistema penitenciário, o tráfico de drogas e o contrabando de armas. Amparado nas promessas de Jair Bolsonaro, avalizadas pelo ministro Paulo Guedes, Moro precisou de poucas semanas para redesenhar o perfil do ministério, montar uma equipe altamente qualificada e apresentar ao país a chamada Lei Anticrime.

A reação da bandidagem com foro privilegiado foi imediata. Deputados e senadores na mira da Lava Jato sempre tiveram seu grande Satã no juiz que personificava a mais bem-sucedida operação anticorrupção da história. O presidente da Câmara, por exemplo, adiou por prazo indeterminado o exame, nas comissões e no plenário, da Lei Anticorrupção. Ao pedir mais pressa, Moro foi qualificado por Rodrigo Maia de “funcionário de Jair Bolsonaro”. Ao tentar avançar pela rota do Senado, o ministro não demorou a perceber que está lidando com um bando também ansioso por desidratar o projeto.

É nesse quadro que se insere a tentativa de retirar do ministério de Moro o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) ─ órgão cuja atuação ampliou notavelmente a eficácia da Lava Jato. Sem o apoio ostensivo do presidente da República e do governo, sob o olhar omisso de parlamentares que se elegeram incensando o condutor da Lava Jato, o ministro luta praticamente sozinho para manter hasteada uma das principais bandeiras eleitorais de Jair Bolsonaro.

Conheço suficientemente Sergio Moro para afirmar que ele deixará o ministério se o projeto que concebeu sofrer lesões profundas durante os trabalhos de parto. Tampouco será silenciado pela oferta de uma vaga no Supremo. Pouquíssimos habitantes do mundo político brasileiro acreditam na existência de homens honrados. Moro provará que a espécie não foi extinta.

DEU NO JORNAL

COMENTÁRIOS SELECIONADOS

UM FUBÂNICO NOS ZISTADOS ZUNIDOS

Comentário sobre a postagem A AUDIÊNCIA DE UMA GAZETA ESCROTA

Tarcisio Martins:

Um fan brasileiro aqui em Santa Clara, Califórnia.

Sunny Valey.

A belíssima Santa Clara, Califórnia, onde esta gazeta escrota é lida

* * *

Nota da Editoria:

A pedido do nosso estimado leitor fubânico Tarcisio Martins, o Presidente Donald Trump autorizou que a  The United States Army Field Band e o Soldiers’ Chorus executassem a belíssima canção The Stars and Stripes Forever, da autoria de John Philip Sousa, composta em homenagem à bandeira americana.

Trump mandou um abraço para todos os fubânicos e convidou este Editor para fazer um visita à Casa Branca. Tô pensando se vou ou não…

DEU NO JORNAL

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

ADAIL AUGUSTO AGOSTINI – ALEGRETE-RS

Dom Luiz Berto:

O brasileiro está sempre imitando.

Por que não imita isso ?

Porque a maioria dos brasuleiros é de otários “tatuados”.

Além disso,

Estão se queixando das “fake news”?

É simples:

Enquanto, infelizmente, isso ainda não acontece:

E da maneira como vão as coisas, já há muita gente querendo reviver esta cena:

Porque até agora,

Enquanto

Por isso, para ter uns $$$ a mais, uma sugestão comercial, aproveitando o grande estoque:

Um baita abraço,

Desde o Alegrete – RS,

DEU NO JORNAL

RINCHA, MÔNICA!

* * *

Esta tuitada de Mônica Idiota Bergamo, integrante do time de babacas oposicionistas da redação da Folha de S.Paulo, é o retrato cagado e cuspido do nível de “isenção” atual da grande imprensa oposicionista banânica.

Mônica é a jornalista-beijoqueira, que cagou vastamente na incrível entrevista lulaica autorizada pela “justiça” deste país surreal.

Um prisioneiro condenado por corrupção e lavagem de dinheiro sendo entrevistado no cárcere!!!

É pra arrombar a tabaca de Xolinha!

Assim como Dona Bergamo convocou o tirano venezuelano com a exortação “Fala Maduro“, eu vou fazer uma convocação semalhante: “Rincha Monica“.

Rincha pra valer, sua equina desmiolada.

Aliás, melhor ainda: vamos botar o jumento Polodoro pra rinchar em homenagem a esta militante petista zisquerdóide.

Rincha, Polodoro!