JESUS DE RITINHA DE MIÚDO

DELICIOSA TORTURA

Na formatura do meu filho Raul, há exatos quinze dias, anunciaram que o Hino Nacional seria cantado.

Meu caçula ao lado olhou para mim e soltou:

– Painho, ‘cê sabe cantar, né?

Eu respondi quase me amostrando, já com a voz levantada e peito estufado:

– Claro! Nos meus tempos de estudante éramos “obrigados a cantar”, sob a supervisão da General Almira, todas as quintas-feiras, na entrada do Grupo Escolar.

Alguns outros jovens presentes no evento me olharam meio desconfiados. Não sei se surpresos por eu falar com tanta convicção saber cantar algo tão comprido, ou por não fazerem a mínima ideia de quem fosse a General Dona Almira do Grupo Escolar.

E começou a execução.

Cantei do começo ao fim, sem erros. Inclusive fazendo direitinho a distinção de “em teu peito” e “no teu peito”; conhecimento exigido por Dona Terezinha Dantas, eterna professora de História. Mas, aí, já no Ginásio, sob o olhar atento da Diretora Hilda Frassinete.

Pois é, poucos sabem dessa diferença colocada lá propositadamente por Joaquim Osório Duque Estrada na belíssima poesia que é a letra, antes de Francisco Manoel da Silva jogá-la para os compassos da música.

Terminado o hino, meu caçula me deu aquele abraço.

E prometeu aprender para cantar também.

Se cantar o Hino Nacional sob o sol das treze horas no sertão acariense foi tortura para aquela criança que eu era; hoje aqueles momentos são uma deliciosa memória no homem que sou.

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

LÊDA ANANIAS DO COUTO – CARUARU-PE

Caro Editor,

Se cantar o hino causou todo este rebuliço, imagine quando descobrirem que agora para passar de ano vão ter que estudar!

Eu só quero ver o chororô!!!!

R. É mesmo, cara leitora, vai se uma choradeira arretada.

Ser obrigado a estudar pra poder passar de ano será uma verdadeira revolução educacional.

Só falta agora acabar com essa viadagem de cotas pra entrar na universidade.

E já que você falou em hino, vou aproveitar o pretexto pra oferecer aos nossos leitores um vídeo que me foi enviado pelo zap.

Trata-se da execução do Hino Nacional Brasileiro numa viola caipira.

Com o violeiro Paulo Santana.

DALINHA CATUNDA - EU ACHO É POUCO!

A DESEMPODERADA

Eu só quero meus direitos
Não queira me adestrar
Eu não sou empoderada
Nem quero me igualar
Minha vida eu comando
Não tenho bandeira e bando
E gosto de me guiar.

Os mesmos direitos do homem
Confesso não quero ter
Não quero ter falo e saco
E nem ter que endurecer
Meu brinquedo é de montar
O do homem é de armar
Quando enguiça é um sofrer.

A mãe tem sempre certeza
Que o filho que gera é dela
Porém o pai muitas vezes
Acaba numa esparrela
Cria o filho sem ser seu
Isso já aconteceu
Vi na vida e na novela.

Não quero ficar mais tempo
No mercado a trabalhar
Pra me comparar ao homem
Na hora de aposentar
Não estou de sacanagem
Quero ter essa vantagem
Enquanto ela vigorar.

Gosto de mijar sentada
Não quero mijar em pé
Gosto de usar calcinha
Não me vejo de boné
Não quero ficar careca
Nem também usar cueca
No meu tino tenho fé.

Mas uma coisa eu digo
Expondo minha postura
Eu gosto de ser mulher
E sem previsão de cura
Nisso não vejo entrave
O HOMEM É MINHA CHAVE
EU SOU SUA FECHADURA.

A PALAVRA DO EDITOR

VIOLÊNCIA CONTRA OS MACHOS

Os registros de espancamento de homens por suas mulheres estão com taxas altíssimas.

O machicídio cresce em números assustadores.

Uma providência urgente precisa ser tomada.

Os movimentos sociais em defesa dos direitos humanos devem se mobilizar.

É imperioso a criação da Delegacia do Homem e a aprovação de uma lei protegendo os machos da violência das fêmeas.

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

ADAIL A. AGOSTINI – ALEGRETE-RS

Dom Luiz Berto:

Enquanto o Papa Chico e o fugitivo Jeânus UiUi (fantasiado de xeique) refrigeram as “partes”, nas Arábias.

Pensando bem (00):

Elas têm que ensinar “funk”, como dar o “brioco”, como é briga das “aranhas”, e que é normal, que é l-i-n-d-o homem com homem e mulher com mulher.

Pensando bem (01):

Pensando bem (02):

Pensando bem (03):

Pensando bem (04):

Pensando bem (05):

Um baita abraço,

Desde o Alegrete – RS,

R. Vôte!!! Danô-se!!!

Fiquei avuando.

Acho que tô ficando caduco.

Mas, como aqui quem manda é o leitor, taí sua mensagem publicada.

Um grande abraço desde o Recife-PE

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

MARIA RITA – PIRACICABA-SP

Caro Editor,

Fiz uma promessa caso conseguisse com o gerente da minha agência um empréstimo camarada e fui bem sucedida.

Agora vou ter que escolher uma promessa pra pagar.

Qual é a mais difícil e sacrificada?

Peço ajuda aos amigos e amigas deste jornal escroto.

– Não depilar o sovaco

– Assistir BBB

– Comprar uma camiseta Lula Livre

– Usar um boné do MST

– Fazer um curso de Humanas na USP

– Assistir uma palestra de Dilma

– Virar vegana

R. Danô-se!!! Êita!!!

Que empréstimo maléfico da porra.

Será que vale a pena pagar a promessa com um destes itens?

É sacrifício demais, cara leitora.

Chega fiquei com pena…

PENINHA - DICA MUSICAL

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

ARAEL COSTA – JOÃO PESSOA-PB

Caro e estimado Papa

Infelizmente esses esquerdóides estão a fazer uma das coisas que bem sabem fazer, que é fofoca.

Enquanto não descobrem onde afanar mais um pouco de nosso sofrido dinheirinho, se apegam a tudo, para não mostrar a bunda suja que carregam, como nesse episódio do canto do Hino Nacional.

“Esqueceram”, com a ajuda dos “jornalistas” puros e isentos, que essa obrigação foi estabelecida por lei, aprovada pelo nosso ínclito e eficiente congresso nacional, sancionada pelo então vice-presidente José de Alencar e chancelada pelo então ministro da deseducação Fernando Haddad.

Veja o texto, publicado no DOU de 22.09.2009:

RODRIGO BUENAVENTURA DE LÉON - LIVRE PENSADOR

DE VOLTA PRA CASA E SENTIMENTOS

Quando o Berto escreveu-nos comunicando que o JBF estava extinto e pedindo que não fossem mais encaminhados textos para as colunas estranhei. Estranhei, mas respeitei o amigo que aprendi a admirar. Mas vaticinei: Berto não vais aguentar 3 meses. Vai ser a pressão destes doidos viciados fubânicos, mas mais que isto, tu não te aguentarás.

Não aguentou! Bom prá nós!

Ontem quando o Berto me cobrou a volta da coluna justifiquei que estava esperando o convite e respeitando o pedido anterior do amigo. Mas prometi uma coluna para hoje e, promessa é dívida, aqui estou no aeroporto de Viracopos, aguardando um vôo para Teresina via Recife (compromisso de trabalho) e escrevendo estas mal traçadas letras. E o azar é de vocês amigos fubânicos que vão ter de aguentar meu mau humor e minha péssima escrita de novo, culpem o Berto.

Mas foi bom este retiro ‘espiritual’. Desde o início do processo eleitoral eu já vinha escrevendo pouco e passadas as eleições me abstive de escrever, inclusive para o meu blog: o ‘Livre Pensador’. Estava analisando a tal da conjuntura.

Explico o ambiente em que vivo, digo vivo pois ali trabalho junto com minha esposa e passamos grande parte do nosso tempo no meio acadêmico, vida de professores/pesquisadores 24 horas. Este ambiente sempre foi lotado de idiotas, típico de um ambiente pseudo-intelectualizado, como a academia brasileira. Mas durante as eleições e após a vitória acachapante de Bolsonaro vicejaram idiotas e idiotices úteis e safadas. Proliferou todo tipo de mesquinharia intelectual e mentiras, além de um alarmismo e um inconformismo incomesuráveis.

E por que? Porque estes pseudo-idiotas esquerdopatas não respeitam a democracia, não aceitam que o povo pense e tenha vontades e escolhas diferentes daquelas que ‘eles’ planificaram para o ‘bem’ de todos. Se fu…deram! Só isso.

Agora passados quase 60 dias da posse de Bolsonaro o que temos? Nada de anormal. O país e a vida seguem. As pessoas tiraram férias, curtiram a praia, a família e agora vão pular Carnaval. Não tivemos militares nas ruas, não tivemos uma ditadura implantada, não tivemos negros, viados ou sapatões apedrejados em praça pública. Nada houve daquilo que os alarmistas previram. Apenas a vida transcorrendo como d’antes no Quartel de Abrantes.

O novo Governo começou tateando com erros e acertos, como todo o Governo. O que impressiona é que, embora tenhamos poucas coisas relevantes e, estas poucas coisas são muito relevantes, como a Reforma da Previdência, o Pacote Anti-crime e a putaria no Senado, a imprensa tenta fabricar um escândalo por dia. Qualquer coisa é motivo de análises profundas de sumidades em ciências políticas.

O Ministro peidou no elevador, isto é um escândalo. A Ministra me olhou atravessado, inconcebível. Vão catar coquinhos. Há erros e acertos típicos de quem está iniciando. A demissão do tal Bebbiano ocorreu, pronto! Na minha opinião nem deveria ter sido Ministro. É cargo de confiança do presidente e ele demite quando quer. O Vice fala coisas diferentes do Presidente, ótimo! São pessoas diferentes, não precisam concordar em tudo e que bom que discordam, é uma forma de controle democrático do poder.

O Ministro do Turismo e o laranjal, O PSL era um partido nanico antes de Bolsonaro e estava envolvido em tudo que os nanicos estavam. Agora entraram um grande número de parlamentares novos, que se lave a sujeira e que se investigue. Já está sendo investigado, na minha opinião poderia ser afastado de novo.

Moro mudou de pensamento. Não mudou! Fez o que prometeu. Só que depende do Congresso fisiológico de sempre, que mudou mas não o suficiente. Separou temas, é da política, melhor aprovar umas partes e negociar outras do que não aprovar nada.

A reforma da previdência está aí. Forte, potente e certeira. É só ler, atinge na ‘mosca’ os privilegiados, por isso o berro. O povão não vai carregar o peso sozinho. Faltam os militares, mas estão vindo. E ainda tem margem para negociar, o Governo foi inteligente, apesar dos ‘idiotas’ pensarem o contrário. Ah, tú dizes isto por que não é no teu!

É sim, senhores! Sou funcionário público federal. Se valessem as regras de meu ingresso com cerca de 20 anos de idade, me aposentaria aos 49 anos de idade. Com pequenas mudanças, nas regras de hoje, me aposentarei aos 53 anos de idade. É um absurdo! Tem de mudar. E vejam com as ‘duras’ mudanças propostas pelo Governo me aposentarei com um bom salário, integral e com paridade aos 57 anos. Pela média de vida da minha família e do brasileiro, terei contribuído por cerca de 37 anos e viverei da aposentadoria por outros tantos. Tinha de mudar ou íamos quebrar o Brasil.

Não me importo de trabalhar mais 4 ou 10 anos, é pelo bem comum.

E o pacote anti-crime? É isso ai pessoal propõe tratar vagabundo como vagabundo. Direitos humanos foram propostos e pensados para uma sociedade perfeita. Bandido, assassino e facínora não tem de ter direitos. Já disse e repito: Direitos Humanos são para humanos direitos. Vou ficar feliz é o dia que o Governo implantar um Programa de Cancelamento de CPF de vagabundo. Aí o Brasil vai ser um país seguro.

E o 01, 02 e 03? Estão mais para os três patetas. É claro que se não fossem filhos do Presidente seriam políticos irrelevantes como outros tantos. E teriam suas posições, esquistas e incoerentes ou não, como qualquer político, devendo se comportar de acordo com o pensamento de seu eleitorado. Ou alguém aí vai defender Gleisi e a turma do PT pela sua coerência e pensamento democrático?

O tal do filho Senador (não sei se é o 01 ou 02) tem de explicar para seu eleitorado, especialmente, para ontem o tal do esquema de depósitos. E rápido! Mas também devem explicar todos os safados da Assembléia carioca que estão no barco juntos. De resto cabe ao pai Bolsonaro aquietar as suas crias. Um bom relho, para desespero dos ativistas, dará bons resultados.

Tenho mais coisas para falar e comentar. Renan!!! Ah, Renan. Maduro! O louco fascista do Maduro. Desejo que em breve encontres o povo venezuelano, em praça pública, pendurado de cabeça prá baixo, pelos pés. Mas estes comentários deixarei para outro texto.

Na minha avaliação o Governo vem atendendo, nestes dois meses aquilo que prometeu fazer. Ou seja, está sendo honesto com seu eleitorado. Aos derrotados que engulam a vontade da maioria.

E para finalizar não poderia deixar de registrar. LULA FOI CONDENADO DE NOVO! E NÃO FOI PELO MORO.

Aliás, LULA continua preso, BABACAS!

Abração.

CARLOS IVAN - ENQUANTO ISSO

NOTAS

A Organização Internacional do Trabalho-OIT levantou dados, analisou e surpreendeu-se com o resultado da pesquisa. O salário real no Brasil tenta se restabelecer, mas, enfraquecido, cai. Perde o poder aquisitivo. Em dez anos, enquanto o salário na China dobrou, no Brasil, a recuperação salarial foi acanhada. Nos países do G-20, então, ao passo que a renda real aumentou satisfatoriamente, em 2016, a do trabalhador brasileiro registrou enorme queda. Repetiu o insucesso de 2015. Conclusão da OIT. Com a desaceleração salarial, o consumo fraqueja e a economia murcha. Retrato atual do Brasil, empanturrado de incertezas.

*
As estimativas indicam que o carnaval deve injetar mais de R$ 6 bilhões na economia brasileira. São dezenove segmentos econômicos os beneficiados com os benefícios do entrudo. Dentre as principais atividades favorecidas, constam o turismo, hotelaria, alimentação, transporte, indústria de bebidas, de adereços, fantasias e ornamentação, artistas, músicos, designer, arquitetos, engenheiros, técnicos e produtores de espetáculos, os desempregados e gestores culturais. Por oferecerem mais atrativos, Rio de Janeiro e São Paulo recebem a maior leva de brincantes. Mas, sobra uma laminha para Salvador e Recife vibrarem com a grandiosa festa popular de Rei Momo.

*
O euro completa 20 anos. Em 1999, onze países se uniram para criar a União Europeia, bloco com moeda única. A finalidade, era promover a estabilidade entre os países membros. Nos dez primeiros anos, o mercado europeu expandiu-se. Porém, ao completar a segunda década de existência, explodiram crises econômicas e financeiras no poderoso bloco. Portugal, Espanha, Chipre, Grécia e Irlanda pediram socorro. Agora, o Reino Unido, em debates internos, planeja sair do grupo. Cair fora para se tornar um país independente.

*
A Lei de Responsabilidade Fiscal, que estabelece normas para controlar as finanças públicas da União, estados, Distrito Federal e municípios, existe desde o ano de 2000. A LRF condiciona os gastos públicos à capacidade da arrecadação. Todavia, o Ministério Público de Contas-MPC constatou que os gestores costumam se exceder nas despesas de pessoal. Bem acima do limite. No Rio Grande do Norte, o MPC encontrou 83 municípios ferindo os princípios básicos da LRF. Alguns, inclusive, declarados em situação de emergência fiscal. Por isso, foram impedidos de usar recursos públicos para promover eventos artísticos e culturais. Pra essas cidades, o carnaval já era. Por culpa de incompetentes prefeitos.