2019, UM ANO PRA LÁ DE BOM

Foi, mesmo. Interessante que, pensando em escrever esta crônica, imediatamente me veio a constatação de que não poderia escrever que foi um ano bom para mim, mas teria que escrever, dado que de fato foi, um ano bom para nós. Como de hábito, todos os acontecimentos deste ano foram vividos a dois, Mariza e eu, ou compartilhado, também, por meus filhos e meu neto. Foi, sim, um ano bom para todos nós, com a graça de Deus.

Mariza e eu completamos 50 anos de casados e vivemos nossas bodas de ouro. Não preciso dizer o quanto essa data e esse marco são significativos para uma vida vivida a dois.

Aos 60 anos da revolução cubana, lancei, pela Editora Armada, a longamente sonhada 2ª edição de A tragédia da Utopia, cujo lançamento em Porto Alegre foi de intensa gratificação tal a quantidade de amigos e leitores que compareceram, de modo estoico. às quase cinco horas da sessão de autógrafos. Seguiram-se outras em São Paulo e Brasília.

Logo após as bodas e o lançamento do livro, Mariza e eu fizemos uma viagem de sonhos dirigindo durante três semanas numa região da Itália onde ainda não havíamos estado. Visitamos cidades medievais da Campania, Calábria, Basilicata e Puglia, capturando em fotos, para a memória, sítios históricos e cenários de deslumbrante beleza.

A cidade que, ainda adolescente, adotei como minha, adotou-me como seu filho. Numa iniciativa do vereador Ricardo Gomes, a Câmara de Vereadores aprovou lei concedendo-me o título de Cidadão de Porto Alegre. Foi com justificada alegria que recebi essa distinção. Vivi momentos de forte emoção durante os pronunciamentos dos vários vereadores que se manifestaram evocando momentos da minha vida que foram marcantes para eles, dos quais eu sequer lembrava mais.

No pronunciamento que fiz na sessão solene de recepção do diploma, disse: “O que me imanta a esta cidade são meus familiares, meus amigos, vizinhos, as pessoas que me leem, ouvem, assistem, e que eu encontro onde quer que vá, nos restaurantes, nas missas, nos shoppings, nos supermercados. É muito bom, encontrar conhecidos, amigos e estar nesse abrigo de tantos afetos”.

Também em 2019 recebi a comenda da Ordem do Mérito Cívico no grau Oficial. Ostentei com orgulho a medalha que a significa e que aqueceu ainda mais em meu peito o amor ao Brasil e aos brasileiros. Amor, importante dizer, que muito tenho, mesmo, cuidado de suscitar no cultivo do respeito à nossa história, aos seus grandes vultos e à cultura nacional. Que todos os tenham como referência e exemplo!

Em 2019 o Brasil reencontrou seu caminho, e não sem dificuldades transita por ele. As dificuldades, porém, nos fazem bem como atores dessa mudança. É nelas que se forjam as virtudes e as vontades; é nelas que os adversários ganham vulto, forma e identidade; é nelas que se combate o bom combate.

Sem dúvida, 2019 foi um ano bom. Obrigado, Senhor!

Deixe uma resposta