VIOLANTE PIMENTEL – NATAL-RN

Prezado Editor Luiz Berto,

Boa tarde!

Jesus Cristo continua sendo crucificado todos os dias. Ontem, foi a vez dele se encarnar na pessoa do Ministro Sérgio Moro, o grande brasileiro que, como Juiz, atuou na Operação Lava-Jato, no combate à corrupção que ainda se alastra pelo País.

Os assaltantes do erário público, ladrões de colarinho branco, achincalharam, ultrajaram e humilharam o Ministro Sérgio Moro, chamando-o de ladrão, numa gritante inversão de valores, uma vez que ali os ladrões eram eles próprios. Tiveram a coragem de ultrajar o homem íntegro, que tem nas mãos a lista de nomes dos maiores ladrões do Brasil, com seus respectivos codinomes, inclusive, daqueles que o agrediram.

O Ministro Sérgio Moro é odiado por esses elementos, por ter erguido a bandeira de combate à corrupção espalhada pelo Brasil, punindo os responsáveis e colocando na cadeia os peixes mais graúdos, que se consideravam intocáveis, os verdadeiros tubarões.

Na Audiência da Comissão de Constituição e Justiça na Câmara dos Deputados, a Nação assistiu a um espetáculo degradante, numa cena revoltante de inversão de valores, onde bandidos interrogavam e ultrajavam o “xerife”. Eram as bananas “querendo comer o macaco”, contrariando a metáfora que diz:

“O macaco é quem come a banana. A banana não pode comer o macaco.”

Os agressores do Ministro Sérgio Moro, todos atolados em investigações criminosas até o pescoço, e todos com processos nas costas, sentiram-se no direito de interrogar, intimidar e ultrajar o Herói Brasileiro, Ministro Sérgio Moro, numa atitude vil e revoltante.

Que esses Parlamentares inconsequentes, e com “ficha suja”, sejam logo punidos, na forma da lei, pelos crimes já apurados e agora pelos crimes de Calúnia e Injúria contra o Ministro Sérgio Moro, e também por falta de decoro parlamentar, uma vez que, durante a audiência, comportaram-se como verdadeiros canalhas e agitadores.

Para seu engrandecimento, o Brasil precisa de mais homens honrados, como o Ministro Sérgio Moro, símbolo de competência e integridade moral!

Deixe uma resposta