O LEGADO DO MAESTRO ENNIO MORRICONE

Foi na “BOTA” da Europa que alguns dos melhores artistas de todos os tempos emergiram, tais como os renascentistas Leonardo da Vinci, Michelangelo ou Rafael. Séculos decorridos, a tendência para a produção artística de grande valor prevaleceu e a Itália orgulha-se de um filho pródigo voltado para a música. Com um currículo repleto de bandas sonoras dos mais diversos filmes, Ennio Morricone é um colosso no que toca à associação do mundo da música com o do universo do cinema. Com o “TOQUE DE MIDAS” da composição, o europeu tem o condão de conceder o complemento necessário para que nenhum detalhe impregnado num filme passe despercebido. Como afirma o ótimo cinéfilo de Caruaru-PE, Joaílton, Ennio Morricone esgotou todos os adjetivos para qualificá-lo…

O escritor Lucas Brandão que escreve para a revista eletrônica Comunidade Cultura e Arte é taxativo em afirmar quando nos relata que o legado do maestro, hoje com 90 anos, se estende por mais de 6 décadas e de 500 composições para filmes. Ennio Morricone é um SATÉLITE QUE ORBITA TANTO NO PLANETA DA MÚSICA COMO NO DO CINEMA, fazendo a conexão fantasiosa entre os mesmos. Com um legado quase impossível de ser descrito num finito número de parágrafos, importa reforçar o caráter fascinante e unificador das composições musicais que reforçam já a aura única que cada filme transporta. Se já não bastasse que, pelo seu enredo e personagens, nos maravilhasse, a varinha mágica de Morricone dá uma fragrância de musicalidade etérea à história transmitida.

Um fato curioso e diferenciado na vida do maestro ou uma interessante peculiaridade da sua carreira é a de que nunca abandonou a cidade que o viu nascer (Roma) para fazer as suas composições e nunca aprendeu a falar inglês, passando esta evidência despercebida com a sua versatilidade tanto como compositor para diversos tipos de trabalhos artísticos como nas funções de maestro e nas de diretor dos mesmos. Abdicando de viajar o máximo possível, o italiano é também conhecido pela originalidade das suas composições musicais, elaborando-as sempre do zero e abdicando de usar elementos predefinidos e já existentes. Atualmente, no mundo do cinema, destaca-se a reciclagem do norte-americano Quentin Tarantino de vários êxitos do compositor em filmes dirigidos pelo cineasta, como por exemplo, em 2013, Django Livre.

Em janeiro de 2018, na cidade São Paulo, aconteceu uma mostra no Centro Cultural Banco do Brasil, dedicada ao trabalho do maestro e compositor Ennio Morricone, provavelmente o maior de todos os compositores de trilhas sonoras para o cinema, que em novembro de 2019 completa 91 anos. “SONORA: ENNIO MORRICONE“ exibiu 22 filmes de gêneros e diretores diferentes, mas com algo em comum: a trilha marcante do maestro. Para todo o fã de cinema, é impossível medir a importância do SIGNORE MORRICONE para a história. Desde os spaghetti Westerns de Sergio Leone, até Os Oito Odiados, pelo qual finalmente recebeu um Oscar de trilha sonora, Morricone escreveu trilhas fantásticas. As preferidas, recentemente, são as de Os Intocáveis e a simplesmente perfeita de Cinema Paradiso – impossível não se emocionar com todas essas cenas….

A propósito do filme Era Uma Vez no Oeste que é um majestoso faroeste dirigido por Sergio Leone, muito da beleza visual desse filme deve-se ao maestro e compositor Ennio Morricone pois como é sabido, Leone pediu a Morricone que compusesse os temas musicais do filme, o que o compositor fez a partir da leitura do roteiro e de suas conversas com o diretor. Para as sequências e personagens principais, Morricone criou composições específicas e Leone executava essas peças durante as filmagens. Isso não só ajudou os atores, mas despertou nele, diretor, uma transcendente inspiração. Como diz o estudioso de faroeste Darci Fonseca: “Ennio Morricone já havia criado admiráveis e inovadoras trilhas sonoras para westerns spaghetti. Nenhuma delas, porém, atingiu a perfeição das peças musicais composta para “Era Uma Vez no Oeste”, especialmente o tema principal que tem o mesmo título do filme”.

Sob encomenda do cineasta SERGIO LEONE, Ennio Morricone escreveu as trilhas sonoras de quatro dos 10 principais filmes de Western Spaghetti: Por um Punhado de Dólares) (1964), Por Uns Dólares a Mais)(1965), Três Homens em Conflito (1966) e Era uma Vez no Oeste) (1968). Aliás, No filme Era Uma Vez no Oeste, a música conjugada com as imagens é uma das coisas mais bonitas que o cinema já proporcionou. Mas como nem só de um estilo vive a obra de um gênio, o maestro também assinou a trilha de obras de comédia, horror e drama. Os filmes Exterminação 2000 (1977), de Alberto De Martino; Áta-me! (1990), de Pedro Almodóvar e Reviravolta(1997), de Oliver Stone são alguns dos destaques da vida musical de Morricone fora do velho oeste. Pelo conjunto da obra, a indústria cultural assume que um gênio do calibre de Ennio Morricone surge uma vez a cada nunca mais.

A seguir, para os apreciadores da boa música, clic no endereço abaixo para ouvir por uma hora esta coleção de músicas originais comandada pelo maestro Ennio Morricone, todas fazem referência aos filmes Spaghetti Westerns.

PS. Dedico este artigo ao grande colunista PENINHA do JBF. No campo musical, sem os vastos conhecimentos desse monstro sagrado no campo da pesquisa da música popular brasileira e internacional essa Gazeta escrota jamais seria porra alguma!!!

5 pensou em “O LEGADO DO MAESTRO ENNIO MORRICONE

  1. Excelente homenagem ao brilhante Morricone.
    Gostaria de ressaltar a genial trilha do também genial filme autobiográfico de Fellini Amarcord.

  2. Prezada Valéria,

    Não sei se entendi bem o que você quis afirmar, mas o filme autobiográfico de Fellini Amarcord, se não me engano a trilha sonora é do compositor Nino Rota..

  3. Altamir, muito agradecido pela dedicatória da sua coluna de hoje. Como diria o nosso mestre,
    Berto, fiquei ancho que só a porra!.Obrigado meu amigo, você sabe que filmes clássicos e boa música é comigo mesmo. Um pedido: quando você puder, faça na sua coluna, comentário a respeito do filme ” Joe Kidd ” de 1972, dirigido por John Sturges tendo como astro principal o grande Clint Eastwood.

  4. Prezado Peninha,

    Excetuando-se a trilha sonora e a dupla Clint Eastwood e Robert Duvall como também a direção do ótimo John Sturges, considero o filme JOE KIDD de regular para monótono em que pese afirmar que gosto não se discute. JOE KIDD é uma película que conta com belas atuações, porém deixa muito a desejar…

    Abraços,

  5. Creio que se fizessem um concurso para eleger o melhor compositor de trilhas sonoras de todos os tempos, Enio Morricone não poderia participar.
    Seria uma sacanagem com os outros participantes
    .
    E veja que Mestre Pinheiro não incluiu as músicas de “A Missão” nem aquela dos “Três homens em conflito”, mais conhecida que o filme embalado nela.O cara sai do cinema assobiando na tentativa de reproduzir a música.

Deixe uma resposta