NOTAS

O petróleo é o principal item da pauta de exportações da Venezuela. Mas, a ditadura prejudicou o comércio do óleo negro no mercado internacional. A repercussão é negativa para a economia do país. Depois que os Estados Unidos, principal importador do petróleo venezuelano, junto com a Índia e a China, impuseram sanções contra a política de Maduro, a situação piorou. As exportações cairam. Os Estados Unidos compram petroleo cru da Venezuela, refinam e vendem a gasolina refinada de volta aos venezuelanos. Todavia, as crises reverteram o cenário. Anteriormente, a Venezuela se gabava. Possuia a maior reserva de petroleo mundial, vendia o litro de gasolina mais barato do planeta. Ninguém competia em preços. Agora, falta gasolina até nos postos das cidades venezuelanas para abastecer a frota de veículos.

*
Nem para estudar na rede pública, o aluno recebe incentivos. Em Irauçuba, município da região norte do Ceará, as escolas municipais, por falta de recursos, alteraram o cardápio escolar para os cinco mil estudantes da cidade. Trocaram as frutas, legumes, verduras e carne pelo leite com biscoitos, sopa rala ou um pratinho com arroz temperado. Os recursos da merenda escolar vem do Programa Nacional de Alimentação Escolar-PNAE e do Programa Mais Educação que são repassados a partir de março. Enquanto isso, os alunos penam. Muitos ficam com fome.

*
Barcelona realizou a Mobile World Congress-MWC, a maior feira de tecnologia do mundo. A novidade foi a apresentação do 5G, a quinta geração de comunicação móvel que promete acelerar a velocidade de downloads no mundo. No entanto, mesmo as metrópoles dos Estados Unidos, Nova York, Los Angeles, Las Vegas, Houston e Indianópolis não ferecem disponibilidade de rede para o lançamento da inovação. No Brasil, a previsão de leilões para o lançamento da nova frequência em operação comercial para os smartphones e modens está prevista para 2020.

*
Depois de passar dois anos vendo os negócios esfriarem por causa da retração, o PIB deu sinais de vida. Cresceu, pouco, mais cresceu um bocadinho. A taxa de crescimento do Produto Interno Bruto do Brasil em 2018 registrou um tímido 1,1%. Fraca, anêmica e desanimada, a economia desse jeito não se recupera, como sonha a população. Dois setores deram aquele empurrão para o PIB subir. A indústria de transformação e a construção civil. Mas, o desaquecimento do mercado externo, recessão na Europa, na China e até na América Latina, enfraquecem as exportações e os investimentos no país. Mais um motivo para apressar as reformas: da Previdência e a Fiscal.

4 pensou em “NOTAS

  1. Pois é, Carlos Ivan, no meu tempo escola servia para ensinar português, matemática, ciências e “estudos sociais”, que era história e geografia juntos.

    Agora, escola serve para dar comida, bebida, banho, roupa, calçado, livro, caderno, lápis e sei lá o que mais. Serve para tudo, menos para ensinar.

    E a família da criança, que não está nem aí se a criança está aprendendo alguma coisa ou não, só se mexe para reclamar dos artigos recebidos. A idéia que o pai e a mãe sejam responsáveis por dar de comer para o filho, por exemplo, é recebida com indignação: a responsabilidade é da escola, e pronto.

    Afinal, se há uma coisa que todo brasileiro aprende na escola, desde bem pequeninho, é gritar “Eu tenho direito!”.

  2. Meu caríssimo colunista Carlos Ivan:

    Inda bem que o Jornal da Besta Fubana, a obra-prima do nosso editor Luiz Berto, voltou e com ele voltou suas NOTAS, onde aprendo de tudo um pouco.

    São verdadeiras aulas de economia, mercado e tecnologia.

    Torcemos para que o Brasil dê certo – será que já não deu com a mudança de um governo bandido para um governo sério, responsável, transparente – dê certo e volte a dar esperança ao seu povo que foi tão espoliado pelo petismo e sua quadrilha por mais de quatorze anos!

    Parabéns, amigo, mais uma vez e saudações fraternais!

  3. Caro Cícero Tavares obrigado pela consideração; Tb participo de seu pensamento sobre a necessária mudança de governo. Tava na hora de mudar, senão a vaca ia pro brejo;

Deixe uma resposta