HÉLIO CRISANTO – SANTA CRUZ-RN

Boa tarde caro Berto,

eu ando mais sumido do que pé de cobra, pescoço de cururu e ovo de peba, se for conveniente publique esses versos ai nesse blog escroto.

Feliz ano novo meu amigo, mais atrasado do que os pagamentos do funcionalismo do nosso estado.

RESMUNGOS DA NATUREZA

Clama toda a bicharada
Na estupidez da seca
Um bem-te-vi na galhada
Belisca uma fruta pêca.
O canto da seriema
Até parece um poema
De tristeza e de lamento
Cantando em cima do morro
Um concriz pede socorro
Contando o seu sofrimento

O sol aceso inclemente
Secando os mananciais
Não se vê uma semente
Nas copas dos vegetais
Um teiú cheio de mágoa
Sem ter um gole de água
Mata a sede num pinhão
Naquele mato esquisito
Um sabiá solta um grito
Como quem teme o verão

Um rio morto em seu leito
Tece o caminho da cruz
Geme um burro insatisfeito
Com medo dos urubus
Ao notar a mata extinta
Uma cobra já faminta
Se arrastando cambaleia
Numa tristeza tamanha
Sozinha uma triste aranha
Sem esperança vagueia

No lamaçal de um barreiro
Sobrevoa um passarinho
Em meio aquele braseiro
Volta com sede pro ninho.
Uma rolinha tristonha
Devido à seca medonha
Não esconde a sua dor
Além da seca renhida
Tem que viver escondida
Pra fugir do caçador

Nessa estiada alarmante
Chora um anum desolado
Num angico da vazante
Um carão triste e calado
Envolto ao triste cenário
Um gavião solitário
Se coça numa porteira
Vigiando os matagais
Procura restos mortais
Espreitando uma caveira

A raposa numa gruta
Uiva de tanta tristeza
Em todo canto se escuta
Resmungos da natureza
O som triste da cigarra
Se ouve ao quebrar da barra
Causando desolação
Anunciando os flagelos
Desmoronando os castelos
Do morador do sertão

Uma ideia sobre “HÉLIO CRISANTO – SANTA CRUZ-RN

  1. Uma história real e triste, que poderia ser em muito minimizada se a escola de verdade chegasse ao povo. E se o próprio povo aceitasse. A muita gente arraigada na ignorância secular. Seguem sem pensar a canalhas que os exploram, e por falta de cérebro e estudo, juntam séculos de erros a séculos de maltratos feito pela natureza, e poucos conseguem corrigir alguma falha. Alguns povos aprendem com seus erros, e também enfrentam situações adversas. O nordeste ainda tem gente de fibra, resistentes a flagelos, mas tem que se libertar dos politiqueiros que os sugam fingindo de amigos. Vivem em mansões, cercados de segurança e luxo e deixando para o povo o LIXO!

Deixe uma resposta