GETÚLIO CORTÊS – O NEGRO GATO DA JOVEM GUARDA!

Getúlio Cortês visitando os amigos

Getúlio Francisco Côrtes, cujo nome artístico é Getúlio Cortês, nasceu no Rio de Janeiro no dia 22 de março de 1938. Além de excelente compositor de sacadas geniais nas histórias que conta nas letras das músicas, jogando com as palavras, é também cantor e exímio instrumentista.

É irmão do cantor e compositor Gérson Rodrigues Cortês, conhecido como Gerson King Combo, o James Brown Brasileiro, também cantor e compositor de soul e funk, exímio dançarino e coreógrafo, tendo feito muito sucesso nos anos sessenta, fazendo dublagem no programa Hoje é Dia de Rock, apresentado por Jair de Taumaturgo, um dos principais radialistas da Rádio Mayrink Veiga da época.

O início da carreira de Getúlio Cortês no meio artístico da época se deu por meio de interpretações de músicas dos grandes astros das canções norte-americanas, como Frank Sinatra, Louis Armstrong, dentre vários outros cantores de gêneros indefinidos.

Integrou nos anos 60 o grupo The Wonderful Boys, como compositor, depois se foi projetando e sendo cultuado graças ao talento para fazer composições de temas diversos, jogando com as palavras com a habilidade de um repentista, cordelista, glosador, com canções de versos curtos e precisos, resumindo sentimentos ambíguos e paixões numa só frase.

No início da carreira, teve suas composições gravadas por Renato e seus Blues Caps. E depois por Roberto Carlos. Mas foi na voz de Roberto Carlos que suas composições ganharam projeção e publicidade. Negro Gato (1968) (Uma versão da música “Three Cool Cats”, da dupla Leiber/Stoler, hit americano dos Coasters.); Atitude (1973); O Sósia (1967); (música de enorme sucesso na época, que Roberto Carlos de início se recusou a gravar ); O Gênio (1966); Noite de Terror (1965); O Feio (1965); Pega Ladrão (1966); Quase fui lhe procurar (1968); Por Motivo de Força Maior (1976), dentre outras de enorme sucesso na época na voz do Rei da Jovem Guarda. Getúlio Cortês foi um dos raros compositores que Roberto Carlos gravou duas canções em um único álbum.

Em 2002, Getúlio Cortês foi homenageado com um CD tributo “O Pulo do Negro Gato” no qual Erasmo Carlos, Léo Jaime, Renato e seus Blue Caps, Fagner, Leno, Almir, Golden Boys e Jerry Adriani relembraram seus sucessos, entre as quais, “Negro Gato”, “Pega Ladrão,” “O Tempo Vai Apagar” e “O Feio”. O CD é encerrado com sua interpretação para o tango-rock “Coração Embalsamado”, de sua autoria.

Roberto Carlos não participou. Justificou a Erasmo Carlos por telefone estar muito ocupado com os projetos dos edifícios de sua Construtora “Emoções”!

– Meu negócio é bufunfa e não homenagem, ainda mais de graça – concluiu.

Em 2008, apresentou, na quadra do G.R.E.S. Império Serrano, em Madureira, (RJ) o show “A Noite do Negro Gato”, em que recebeu amigos e o irmão Gerson King Combo, Lilian Knapp e Michel Sullivan, entre outros. Só não entrou o “rei” na homenagem porque quando o colega de surubas, Erasmo Carlos, o procurou para homenagear quem lhe projetou na Jovem Guarda, ele se encontrava “doidão”, “piradão”, no apartamento do Leblon fumando aquele cachimbo de marijuana como na capa do LP: Roberto Carlos: Pra Sempre, abraçado com a planta do edifício “Lady Laura”.

No próximo dia 22 de março de 2019, Getúlio Cortês chega aos 81 anos, e comemora também o relançamento do álbum solo, “Negro Gato” (com produção de André Paixão, direção artística do competente pesquisador musical Marcelo Fróes), com muitas histórias para contar.

Viva Getúlio Cortês!

9 pensou em “GETÚLIO CORTÊS – O NEGRO GATO DA JOVEM GUARDA!

  1. Mais uma vez fica explícito o mau caráter do cantor perneta. Tudo nele sempre foi falso, egoista , ambicioso, e nunca soube retribuir nada para aqueles que o ajudaram. Alem de tudo é um CENSOR, já prejudicou várias pessoas que tentaram escrever a verdade sobre ele. É um pulha. Go de retro…….

    • Caríssimo comentarista d.matt em:

      O que mais me dói é que esse canalha do Roberto Carlos, à época do início da “Jovem Guarda”, corria atrás de gatos, cachorros, ratos e baratas para ajudá-lo a ascender no cenário artístico, mas depois que começou a ficar rico fudeu e ignorou todos os amigos cantores e compositores que não tiveram a mesma ascensão dele, inclusive até o amigo Erasmo Carlos.

      E depois, não satisfeito com toda sua canalhice, saiu processando por todo o Brasil, por meio do seu advogado canalha Kaykay, milhares de pessoas simples que se utilizavam de seus nomes próprios para abrir imobiliárias, mercadinhos, comércios para ganharem o pão de cada dia!

      O caso mais famoso e que, infelizmente, teve o aval de um juiz canalha de de 1.º grau, foi a proibição da biografia “Roberto Carlos em Detalhes”, do genial pesquisador Paulo César de Araújo!

      Decididamente Roberto Carlos é um CANALHA!

    • Obrigado, amigo e colunista Brito.

      Também o considero um pesquisador extraordinário, que dedica a vida a pesquisar os grandes vultos da historiografia brasileira com seriedade e amor ao que faz!

      Isso é muito salutar de sua parte, principalmente quando o nobre colunista foca em personagem desconhecido do grande público e que tiveram grande importância na formação cultural brasileira!

      Fraternais saudações, amigo!

  2. Caríssimo colunista Maurício Assuero:

    Brigadão pela postagem, um encômio que me deixa orgulhoso!

    Também aprecio suas postagens que parecem a minha cara, principalmente quando abrangem assuntos políticos que o nobre colunista abrangem com grande propriedade!

    Brigadão!

  3. Prezado colunista Cicero Tavares. Uma verdadeira e honesta postagem. Assino embaixo de TUDO que você escreveu e ainda é pouco,
    Vou citar o caso da propaganda da Freeboy. O descarado recebeu cinco milhões de reais para fazer uma propaganda comendo um BIFE da Freeboy.
    Ora, segundo me consta o individuo é VEGETARIANO. Na cena da postagem na TV, não aparece ele comendo o bife, portanto foi uma fraude. o escandalo e a repercussão foi tão grande que a propaganda sumiu no dia seguinte das
    telas das TVs e da internet. Soube também que o milionário também abocanhou
    alguns milhões da Lei Rouanet para se apresentar num navio turístico . Ora o seu cachê é sempre de milhões, portanto isto é um roubo.
    Existem muitas coisas escondidas porque ele não autoriza nenhuma biografia
    sua, principalmente se mencionar que infelismente é um aleijado.
    Como eu disse no meu comentário acima: Vá de retro…… o seu dia chegará.

  4. Parabéns, prezado cronista Cícero Tavares, pela perfeição do texto, sobre o genial compositor Getúlio Cortês, autor de excelentes composições e versões, gravadas por Roberto Carlos, no início da carreira. Sucessos estrondosos, que ainda hoje são destaque, não só entre os fãs da geração de Roberto Carlos, como entre pessoas mais jovens, O carisma de Roberto Carlos ainda hoje encanta seu fã clube. As composições e versões de Getúlio Cortês se eternizaram na voz do “Rei”. Ganharam projeção e publicidade.. Negro Gato (1968) ; Atitude (1973); O Sósia (1967); O Gênio (1966); Noite de Terror (1965); O Feio (1965); Pega Ladrão (1966); Quase fui lhe procurar (1968); Por Motivo de Força Maior (1976), dentre outras, na voz de Roberto Carlos se eternizaram.
    .
    Considero Roberto Carlos, um patrimônio da MPB. Defeitos, todo mundo tem. Ser rotulado de “aleijado”, por ter sido vítima de um infortúnio quando era criança, é falta de humanidade. A desdita desse acidente, em que Roberto Carlos perdeu uma perna, lhe deu inspiração para as sofridas e belíssimas composições, “TRAUMAS” (1971) e “O DIVÃ,” (1972).,

    Um grande abraço!

  5. O Rei Momo da música brasileira foi apropriadamente rotulado de aleijado porque na verdade ele é não somente um aleijado físico, como também um aleijado moral.
    Quem pesquisar vai encontrar. É só tirar os phones dos ouvidos.

Deixe uma resposta