FLY ME TO THE MOON

16/7/1969. No Grande Salão, junto ao Refeitório Central da Universidade de Harvard, muitos estudantes. E alguns professores. Nos autofalantes, repetidamente, Fly Me to the Moon (na voz melosa de Sinatra), que virou hino do programa espacial americano. Enquanto víamos, na TV, o primeiro homem chegar à lua. Audiência enorme. Durante anos, foi o quarto evento entre os 10 com mais telespectadores, segundo François Mariet (La Télévision Américaine). Depois do último episódio da série M.A.S.H. (com Elliott Gould), o mais visto; e oito Superballs (futebol americano). Sacramentando uma vitória na batalha espacial contra a então União Soviética.

Dois dias depois, as televisões deram ainda mais destaque a outro episódio. O do acidente com Edward Kennedy, em que morreu sua namorada Mary Jo Kopechne. Dentro de um carro, mergulhado em rio de Edgartown. Os jornalistas que vieram cobrir os astronautas foram todos para Massachusetts. E se a chegada na lua mudou a história do mundo, aquela mudaria a do país. Porque um Kennedy jamais voltaria a entrar na Casa Branca. O segundo irmão, Bobby, acabara de ser assassinado, em 6/6/1964, logo após uma prévia da Califórnia. E o terceiro Kennedy, por conta de álcool e outros vícios, agora morria politicamente.

Voltando aos astronautas, é preciso dizer que o fausto de antes é hoje, usando palavras de mestre Drummond (Confidências do Itabirano), só “um retrato na parede”. Que, 50 anos depois, o programa espacial foi para o espaço. Literalmente. Tudo começou em 2017, quando Elon Musk mandou ao espaço um carro Tesla Roadster, vermelho, conversível, com um boneco dele próprio ao volante. Em um como que Satélite que já passou por Marte e segue, agora, para o Cinturão de Asteroides (Júpiter).

Fato é que, enquanto um foguete americano não sai por menos que 350 milhões de dólares, Musk, o sul-africano da SpaceX (e da Tesla), consegue fazer o mesmo com um quinto desse valor. Pois, enquanto o dos americanos se desintegra no voltar à terra, o dele (Falcon Heavy) retorna para um pouso vertical. Onde partiu. Na terra. Ou em drones flutuantes no Pacífico. Seu custo é, basicamente, só combustível. Uma das plataformas é conhecida como Of course I still love you (É claro que ainda te amo). E o navio-drone, Just Read the Instructions (Apenas Leia as Instruções), uma provável homenagem ao falecido escritor escocês de ficção científica Iain M. Banks. Musk é um sujeito divertido.

A lição a tirar disso tudo é que a economia reina. Os Estados Unidos abandonaram a fabricação de foguetes por não serem capazes de competir. Pagam a Musk, um estrangeiro, pelo envio de seus satélites ao espaço. E ainda lhe alugaram o Centro Espacial John F. Kennedy, a base de Vandenberg e o Cabo Canaveral. No Brasil, tenho dúvidas se faríamos algo assim. Para muitos, seria crime de lesa pátria. Mas seria mesmo?, eis a questão. Deveríamos pensar mais responsavelmente, e com ideologias à parte, sobre questões como essa, em que o nacionalismo sai caro. Correios, algumas outras estatais, por aí.

P.S. A NASA não confirma essa história. Mas consta que Neil Armstrong, ao voltar para o módulo lunar Apolo 11, disse a frase “Boa sorte, Mr. Gorsky”. Ninguém entendeu. Em 5/7/1995, numa entrevista em Tampa Bay, o astronauta teria esclarecido. Indo buscar uma bola de beisebol, que caíra perto ao quarto dos Gorsky, ouviu sua mulher dizer: “Sexo oral? Só quando o filho do vizinho pisar na lua”. Sem notícias de que, afinal, Mrs. Gorsky tenha atendido aquele pedido e levado seu amado marido to the moon.

6 pensou em “FLY ME TO THE MOON

  1. Dr.º José Paulo:

    Excelente: “FLY ME TO THE MOON” (“Faça-me voar até a Lua?”).

    Impressionante! Quando esses fatos aconteceram do “outro lado do mundo civilizado nos anos sessenta”, papai, um simples feirante semianalfabeto em Carpina-PE, foi questionado por um padre da paróquia de “Santo Antônio”, freguês leal das verduras orgânicas que o Velho trazia, colhidas no sítio de Lagoa do Carro, se acreditava naquelas “invencionices e doidices” dos Yankees.

    Ao que prontamente papai respondeu mesmo não entendendo o linguajar erudito do padre, deixando o pároco sem resposta:

    – “Padre Zé Rollin”, se os homens tem a capacidade de descobri que a Lua é redonda apenas dentro de um quartinho com alguns objetos doidos, imagine o que ele não pode descobrir dentro de grandes aparelhos avançados?”

    Padre, deixe de acreditar só na Bíblia e procure acreditar também nos homens!

    Claro que acredito – finalizou ele!

    Deus não deixou o livre arbítrio para os homens fazerem o que quiser?

    “EU SÓ NÃO ACEITO A MALDADE, A GANÂNCIA E A INVEJA HUMANAS, POR QUE O RESTO!..”

    Grande Antônio Tavares, (saudades), sábio Dr.º José Paulo, o pai! (Saudades também!”

  2. Caros Cícero e Dr. Zé Paulo,
    Decididamente, o mundo anda muito carente de homens da envergadura dos finados genitores que foram mencionados pelo Cícero. O dele e o do Dr. Zé Paulo.
    Só que, segundo eu vejo, os dois não devem se preocupar muito com isso não. Ambos, cada um a seu jeito, estão dando continuidade à honradez e competência herdada com extrema galhardia.
    Grande abraço.

    • Obrigado, grande amigo do coração, Adônis Oliveira, sobre a parte que me cabe nessa honradez, e ao Dr.º José Paulo Cavalcanti, que não conheci pessoalmente mas da boca de quem ouvi elogios, era quase um Santo na sua simplicidade. Homem de um coração maior que os sentimentos do mundo! Preocupado com o bem estar de todos!

      O filho puxou ao pai! É um Grande Homem! Poderia ser pernóstico por tudo de bom que a Natureza lhe deu, mas é simples como um colibri pousando numa rosa para colher-lhe o néctar.

      Também tem o coração e a honradez maiores que o mundo! Digo isso porque o conheço pessoalmente. Dou fé no que digo!

  3. Apois Mestre Zé Paulo, com todo respeito, Cícero e Adônis, se eu transferir esses “sonhos” degenerados para minha falecida “Avó”, com certeza, na hora de apanhar a bola, ele teria escutado: “boquete? – só quando Rubim, o filho do patrão, parir trigêmeos.” Coisa que, naqueles tempos em que ela ainda “sonhava em ir até a lua na hora do pega pra capar”, era impossível. Nos dias atuais, entretanto, minha Avó já pode pensar em comprar mais “Corega” prumode fixar os dentes na hora do boquete. Arre égua, siôres!

  4. Será que o sr. Gorsky azarlemvrou disso, para azar da Sra. Gorsky? Dr. Paulo, como sempre, nos brinda com um vinho raro: sabedoria!

Deixe uma resposta para José de Oliveira Ramos Cancelar resposta