DERROTA OU MORTE

J.R. Guzzo

Onde foi parar o Brasil no qual você morava até uma semana atrás? Ainda dá para lembrar: o senador Renan Calheiros praticamente já estava despachando como o novo presidente do Senado Federal. Com as suas imensas capacidades de gênio político, dono de estoques ilimitados de esperteza e líder indiscutível dos políticos que de repente caíram do caminhão de mudanças com a vitória de Jair Bolsonaro nas eleições presidenciais, Renan não poderia perder a disputa para presidir o Senado. Segundo mais de 100% dos doutores em ciência política deste país, a chance de qualquer outro senador vencer era a mesma de alguém mudar os 90 graus do ângulo reto. A horrenda rejeição popular ao seu nome era tratada, nos mesmos meios, como uma fantasia de amadores; “pressão de rua” não existe nesses casos, garantiam os entendidos. “Política de verdade”, em seu livro, não tem nada a ver com redes sociais, etc. Esse Bolsonaro, os vinte generais do seu primeiro escalão, o ministro Sergio Moro, etc., iriam aprender, enfim, que é impossível governar o Brasil sem “ceder aos políticos”, e o sinônimo de política no Brasil era Renan Calheiros. Saiu tudo ao contrário — mais uma vez ao contrário, aliás, como tem acontecido dia após dia.

Pois é: estamos vivendo no mesmo país, mas o país em que vivemos é cada vez menos o mesmo. O Brasil dos Renans, dos “profissionais” da política, das “realidades de Brasília”, está sumindo aos olhos de todo mundo; não existe mais como existia seis meses atrás, e menos ainda como há um, dois ou cinco anos. Não é isso que dizem para você, tanto que há apenas uma semana a vitória de Renan para a presidência do Senado era dada como uma verdade científica. Mas é isso que acontece no mundo dos fatos. Nesse mundo, o único que conta, o que houve foi o seguinte: “Perdeu, Renan. Game over”. E onde foi parar a perigosíssima raposa das raposas, que ainda outro dia estava no primeiro plano da política brasileira? Não havia mais raposa nenhuma, isso sim — ou, então, havia uma raposa cega, surda e aleijada, com prazo de validade vencido e incapaz de notar que estava desfilando nua no meio da rua. Em vez de olhar para a realidade, preferiu acreditar nos especialistas. Acabou virando estopa.

Continue lendo

NO OLHO DO FURICO

“Pode o investigado determinar investigação dos investigadores? Era essa inversão de papéis que o projeto de abuso de autoridade proposto contra a Lava Jato fazia, defendido adivinhem por quem… MP e Executivo devem garantir independência da atuação dos auditores, contra quem for”

Deltan Dallagnol, procurador da República e coordenador da força-tarefa da Lava Jato

* * *

O Dr. Dallagnol acertou bem no olho do furico de Gilmar Boca-de-Buceta.

O patife togado está esperneando porque a Receita Federal deu iniciou a uma investigação de “focos de corrupção” nas falcatruas dele e da esposa.

Falcatruas que, de tão claras e evidentes, nem precisam ser investigadas: estão à vista de todos.

Um pulha e um cidadão decente: os extremos da nossa república

IMPEDIMENTO DO CANALHA

O jurista Modesto Carvalhosa, conhecido e respeitado no meio Jurídico nacional, resolveu entrar com um pedido de impeachment de Dias Toffoli, presidente do STF.

Carvalhosa explica que a “quebra de decoro na conduta como presidente do Supremo Tribunal Federal” é um motivo forte o suficiente para que o pedido seja protocolado.

Com a queda de Renan Calheiros, o Senado pode muito bem pautar pedidos de impeachment de ministros do STF.

* * *

Conte com o apoio dos cidadãos de bem deste país, Dr. Modesto Carvalhosa.

A banda decente do Brasil está toda do seu lado.

Este canalha deste Dias Petista Toffoli é uma vergonha!!!!

SANGUE NOVO

Susana Cordeiro Guerra, de 37 anos, será a mais jovem presidente da história do IBGE.

Seu nome foi confirmado nesta sexta-feira, depois que o Ministro Paulo Guedes incluiu uma reunião com Susana em sua agenda no Rio de Janeiro.

* * *

O currículo dessa moça, Susana Guerra, é bem fraquinho.

Ela se formou em Harvard e fez doutorado no Massachusetts Institute of Technology (MIT).

Só isso.

A doutora está no lugar certo, comandando um dos órgãos mais importantes do segundo escalão do governo federal. O órgão que fornece todos os números e dados indispensáveis para tomadas de decisões importantes e fundamentais.

Dona Susana Guerra – que tem um sobrenome coerente com a luta que irá enfrentar -, trabalhava como economista do Banco Mundial e morava em Washington, nos Estados Unidos.

Diz o noticiário que o retorno dela ao Rio, onde fica a sede do IBGE, não será problema, haja vista que a mesma é carioca e viveu boa parte da vida na capital fluminense.

Susana Cordeiro Guerra: diretamente do frio americano para o calor carioca

UM CASAL BANANICAMENTE SUPREMO

A advogada Guiomar Mendes, esposa do ministro Gilmar Mendes, se manifestou sobre o vazamento da investigação em que ela e seu marido são suspeitos de lavagem, corrupção, ocultação de patrimônio e tráfico de influência.

Em nota, Guiomar afirmou que “jamais” se furtaria a dar explicação à Receita Federal.

Ela disse também que esperava ser chamada “como cidadã e contribuinte eventualmente com erros na declaração, e não ser apresentada como alguém que cometeu crime fiscal”.

* * *

Gostei do que a esposa do ético, honrado, impoluto e honesto ministro escreveu: “eventualmente com erros na declaração“.

Quem quiser ocultar  do Fisco qualquer falcatrua, esta é uma dica excelente caso venha a ser apanhado.

Basta dizer que tudo não passou de um “erro eventual”.

E vamos começar o expediente de domingo repetindo os crimes pelos quais o supremo casal está sendo acusado:

Lavagem, corrupção, ocultação de patrimônio e tráfico de influência.

Só isto, apenas isto, nada mais que isto.

Gilmar e Guiomar: um casal com lindos dentes

QUEM, QUEM, QUEM ???

O procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato, saiu em defesa dos auditores fiscais que investigam o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal.

Em mensagem veiculada no Twitter, Deltan anotou que “Ministério Público e Executivo devem garantir a independência da atuação dos auditores.”.

O procurador reagiu com ironia ao pedido de Gilmar para que seja investigado suposto “abuso de poder” dos investigadores que apuram ‘focos de corrupção, lavagem de dinheiro, ocultação de patrimônio ou tráfico de influência’ atribuídos ao ministro e à mulher dele, a advogada Guiomar Mendes.

“Pode o investigado determinar investigação dos investigadores?”, indagou Deltan.

“Era essa inversão de papeis que o projeto de abuso de autoridade proposto contra a Lava Jato fazia, defendido adivinhem por quem…”.

* * *

O Procurador Deltan faz uma pergunta instigante no seu Twitter:

“Adivinhem por quem…”.

Fiquei encucado.

Vocês, os antenados leitores deste blog seriam capazes de me dizer quem é este “quem”.

Hein?