AMOR NOS TEMPOS DO FEMINISMO

Não me admira que tantos e tantas estejam sozinhos, ou preferindo apenas as relações fugazes. – Marli Gonçalves

1. Conheceu uma gatinha bem descolada na balada? Chamou para o motel e ela topou?

2. A principal providência agora é se certificar de que não se trata de um traveco. Para isso, o ideal é passar a mão diretamente na genitália da pretendida, de preferência passando a mão e enfiando o dedo na xoxota. Mesmo assim, se for um veado, este pode já ter feito operação de mudança de sexo. Assim, verifique o “Pomo de Adão” e outros fenótipos. ATENÇÃO! Caso se depare com algum indício revelador, ou mesmo no caso de encontrar uma belíssima RÔLA onde deveria existir uma xoxota, NÃO FAÇA ESCÂNDALO! Saia de fininho e dê o caso por encerrado. Isto evitará futuras gozações de seus amigos. Pior ainda é cobrir o veado de porrada, que é “para ele aprender a não enganar mais ninguém”. Neste caso, além do tremendo escândalo, incorre-se no crime de homofobia. Artigo 140 do Código Penal. Hoje, no Brasil, é proibido até não gostar da veadagem e já dá cadeia até dizer que é feio.

E ai? Vai encarar um “Lady Boy”?

3. Aprovada nesta análise prévia, leve a moça primeiramente a uma emergência hospitalar e mande certificar o teor alcoólico e de entorpecentes. Isso evitará acusação posterior de “Posse Sexual Mediante Fraude”. Artigo 215 do Código Penal.

4. Passe depois em um cartório e registre uma declaração de que estão praticando sexo consensual, inclusive explicitando as variações permitidas: Oral, penetração vaginal, anal, com ou sem camisinha, etc. A declaração deve ser “Irretratável e Irrevogável”. Tudo visando evitar acusação posterior de “Estupro” (Artigo 213 do Código Penal). Lembrem do caso de Neymar. A rapariga viajou até Paris só para dar o priquito e, na hora, depois que o cabra tava em cima, cheio de amor para dar, cismou que não queria mais. Foi quando Neymar falou: – Agora é taaaaaaaaarrrrrrrdddddeeeeee!!!!!!!! A rola já tava todinha dentro.

5. Junto com a declaração anterior, exija uma outra declarando que estão praticando, apenas e tão somente, sexo casual. Isso evitará posterior pedido de indenização por “Rompimento de Relação Estável”. (Lei 9.278 de 10 de maio de 1996, Art. 7)

6. Depois, pegue a desinfeliz e vá com ela até um laboratório e exija um exame de Beta-HCG (Gonadotrofina Coriônica Humana). Isto evitará que você faça o papel de otário, tendo de sustentar a dita cuja durante uma gravidez inteira de um filho que não é seu. (Lei 11.804 de 5 de novembro de 2008, Lei de Alimentos Gravídicos)

7. Chegando no motel, ou mesmo em casa, use sempre camisinha e não caia na onda caso a distinta, nos ardores da paixão, venha a lhe solicitar sexo um pouco mais selvagem. Esta atitude visa prevenir contra uma possível acusação com base na Lei 11.340 de 7 de agosto de 2006, Lei “Maria da Penha”.

8. Em paralelo com as providências acima, o distinto deve pagar tudo, absolutamente tudo, e sem chiar. Além, é claro, de ser um perfeito capachão. Isto significa zelar para não causar nunca “qualquer sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral”. É lógico que estes direitos só valem para ela, sem que tenhamos nenhum direito em contrapartida. (Lei “Maria da Penha”)

9. Na saída do motel, ou da sua casa, dirija-se imediatamente ao Instituto Médico Legal e exija um “Exame de Corpo de Delito” com laudo negativo para lesões corporais (Art. 129 do Código de Processo), e negativo para a presença de esperma na vagina. Isto evitará que a devassa saia por aí, dando para todo mundo, e venha depois exigir uma “bolsa-barriga” do otário da hora, você, ao longo dos nove meses de uma gestação que não é sua (Lei 11.804).

10. Finalmente, se houver presença de esperma na vagina da criatura, exija imediatamente uma coleta de amostra para uma futura investigação de paternidade (Lei 1.060 de 5 de fevereiro de 1950 – Assistência Judiciária) e solicitação de eventuais pensões alimentícias obtidas mediante ardil ou fraude (Art. 171 do Código de Processo).

Diante do acima exposto, não é de estranhar que:

a) Xoxota tenha se transformado em uma arma para conseguir se dar bem na vida;

b) A quantidade de crianças bastardas seja cada vez maior;

c) Os homens estejam correndo de qualquer tipo de compromisso como o Diabo corre da cruz;

d) Que muitos estejam considerando bem mais interessante uma bela bronha. Além de ser infinitamente mais barato, dá bem menos trabalho, não tem de encarar um monte de frescuras e é ABSOLUTAMENTE seguro.

P.S; Olhando para um bando de feminazis esbravejando, começamos a considerar a hipótese dos Lady boys bem menos intragável.

4 pensou em “AMOR NOS TEMPOS DO FEMINISMO

  1. A moça do Neymar deu entrevista ontem num programa esportivo. Ela se queixou que está “se sentido invadida”.

    Só faltou explicar se o Neymar, quando “invadiu a área”, fez o gol de bico, de trivela, de três-dedos, de letra ou de calcanhar.

  2. Adônis Oliveira:

    Li seu excelente AMOR NOS TEMPOS DO FEMINISMO, não antes por falta de tempo!

    Discordo do nobre colunista sobre as precauções porque:

    a) Só como depois de conhecer e passar o dedo por dentro depois de vários e vários sarros e eu perceber que a xoxota está molhadinha de esperma feminino devido às “provocações dedais”;

    b) depois dos 60 “eduquei” meu cérebro a se fixar só em coroa e, de preferência, morena, rabuda, e quase descompromissada…;

    c) depois dos 60, aprendi nesses casos que a pressa é inimiga da precaução e a gente acaba se ferrando com um baitolinha sem futuro, e indo parar numa delegacia trans onde só tem vez e voz são os politicamente correto.

    SEMPRE, prefiro as coroas e de preferência depois de um certo tempo de conhecimento e relacionamento…mesmo ficando doido para comer logo.

    Ainda não fui ferrado! “Deus” tomara que assim seja!

Deixe uma resposta