A SAUDADE NOS VERSOS DOS REPENTISTAS

A saudade quando vem
Corta igual a esmeril
Tem na língua portuguesa
Não tem acento nem til
Se espalhou por todo mundo
Porém nasceu no Brasil.

Ivanildo Vila Nova

Tira a felicidade
Que o ser humano tem
Pode pensar que a saudade
É companhia de alguém
E quem nunca sentiu saudade
Nunca gostou de ninguém.

João Lourenço

Saudade é um parafuso
Que na rosca quando cai,
Só entra se for torcendo,
Porque batendo num vai
E enferrujando dentro
Nem distorcendo num sai.

Antonio Pereira (1891 – 1982)

Saudade é minha modelo
No tédio da passarela
Por consolo tenho a lua
Que é quem me serve de vela
E a boca do vento dando
Sopros com o cheiro dela.

Rubens do Valle

Todo filho tem saudade
Da casa que nasceu nela
Os dedos da mãe matuta
Botando sal na panela
E os dedos da mão da gente
Puxando na saia dela.

João Paraibano (1952 – 2014)

9 pensou em “A SAUDADE NOS VERSOS DOS REPENTISTAS

  1. Parabéns pela bela postagem, prezado Aristeu Bezerra. O tema “saudade” é inesgotável na inspiração dos poetas. A seleção de repentistas está genial!
    A saudade é o sentimento de melancolia, causado pela ausência temporária ou definitiva de pessoas, coisas ou lugares, aos quais estamos ligados afetivamente É um sentimento típico das pessoas sensíveis, que sabem o que é o amor.

    Um grande abraço e uma ótima semana!

    Violante Pimentel Natal (RN

    • Violante,

      É gratificante receber seu relevante comentário. Concordo que a saudade é um sentimento que se faz presente de forma infinda na poesia erudita e popular. Dentre as minhas paixões diárias, a saudade é a maior das companheiras. Sinto saudade o tempo todo. Dos cheiros, dos gostos, dos lugares, dos sorrisos. Acredito que no fundo, tenho saudade de mim mesmo, do que fui, e que hoje não me permito mais ser. Nessa breve reflexão, chego a conclusão que a saudade me conforta e inspira.
      Aproveito a oportunidade para compartilhar uma criativa sextilha de Antônio Pereira (1891 – 1982), o poeta da saudade, com a prezada amiga:

      Quem quiser plantar saudade
      Primeiro escalde a semente.
      Depois plante em lugar seco,
      Onde bata o sol mais quente.
      Pois, se plantar no molhado,
      Quando nascer mata gente.

      Saudações fraternas,

      Aristeu
      .

  2. A palavra mais bonita da língua portuguesa é saudade. Considero que esta palavra não pode faltar no repertório dos poetas do repente. Antônio Pereira foi o poeta que mais cultivou versos sobre a saudade. Se fosse votar em uma dessas sextilhas, a minha preferida seria a seguinte: “Saudade é um parafuso/Que na rosca quando cai,/Só entra se for torcendo,/Porque batendo num vai//E enferrujando dentro/Nem distorcendo num sai.”

    • Vitorino,

      Muito obrigado pelo seu excelente comentário. A lembrança da sextilha de Antônio Pereira, o poeta da saudade, foi muito oportuna. Devemos sempre reverenciar os grandes poetas populares e os ícones do repente, pois a geração mais nova precisa conhecer as pérolas que estão um tanto quanto esquecidas da nossa rica literatura popular. Usufruo desse espaço democrático do Jornal da Besta Fubana para compartilhar uma bela sextilha do grande poeta Antônio Pereira com o nobre leitor fubânico:

      Saudade é a borboleta,
      Que não conhece a idade.
      Voando, vai lá, vem cá,
      Misteriosa, à vontade.
      Soltando pêlo das asas,
      Cegando a humanidade.

      Saudações fraternas,

      Aristeu

    • Jesus de Ritinha de Miúdo,

      Agradeço suas generosas palavras de quem conhece o admirável mundo do repente, e tem talento para transformar em versos as belezas do Sertão. Aproveito a ocasião para compartilhar uma bela sextilha do poeta popular Vicente Preto (1911 – 1976) com o prezado amigo:

      Quando completar a data
      Da minha finalidade
      Pode soltar boletim
      Pelas ruas da cidade
      Dizendo que este poeta
      Quem matou foi a saudade.

      Saudações fraternas,

      Aristeu

  3. Aristeu,
    Acredito que saudades seja:
    Sentimento melancólico devido ao afastamento de uma pessoa, uma coisa ou um lugar, ou à ausência de experiências prazerosas já vividas.
    Podemos sentir saudades, de um amigo que partiu, de uma comida que há muito não saboreamos, de uma cidade que conhecemos e que gostaríamos de voltar, de um período muito feliz de nossas vidas, saudades dos filhos quando crianças, saudades dos pais que já partiram, saudade da casa onde nascemos vivemos por muito tempo etc.

    Existe uma expressão que diz “matar a saudade.” Ela significa que no momento em que o indivíduo vê o objeto do seu sofrimento, torna-se alegre e feliz, portanto está matando aquela saudade.

    Fraterno abraço!
    Carmen.

    • Carmen,

      Grato por seu comentário com observações importantes sobre a saudade. Faço um contraponto sobre a melancolia da saudade. Creio que esse sentimento é positivo quando te lembra algo ou alguém que te fez bem. É também engano pensar que só existe saudade do que ocorreu. Existe saudade daquilo que quase aconteceu. Do que a gente sonhou e não realizou. Do que ficou pelo caminho por falta de persistência. Cara leitora, saudade é tema para muitos versos e muitas prosas. Compartilho um poema de Carlos Drummond de Andrade que ilumina a saudade (denomina-a de ausência) sob uma perspectiva belíssima:

      AUSÊNCIA

      Por muito tempo achei que a ausência é falta.
      E lastimava, ignorante, a falta.
      Hoje não a lastimo.
      Não há falta na ausência.
      A ausência é um estar em mim.
      E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços,
      que rio e danço e invento exclamações alegres,
      porque a ausência, essa ausência assimilada,
      ninguém a rouba mais de mim.

      Saudações fraternas,

      Aristeu

Deixe uma resposta