DEU NO TWITTER

BOSTA PETÊLHO-ZISQUERDÓIDE DE UMA FOSSA CHAMADA ÉPOCA

A fucinho do zisquerdóide, um baitola descerebrado, que se passa por “jornalista”:

Leia matéria completa clicando aqui.

Prepare o pinico pois você vai ter ânsia de vômito.

É merda pura.

JESSIER QUIRINO - DE CUMPADE PRA CUMPADE

A HORA DA POESIA

ESCÁRNIO PERFUMADO – Cruz e Sousa

Quando no enleio
De receber umas notícias tuas,
Vou-me ao correio,
Que é lá no fim da mais cruel das ruas,

Vendo tão fartas,
D’uma fartura que ninguém colige,
As mãos dos outros, de jornais e cartas
E as minhas, nuas – isso dói, me aflige…

E em tom de mofa,
Julgo que tudo me escarnece, apoda,
Ri, me apostrofa,

Pois fico só e cabisbaixo, inerme,
A noite andar-me na cabeça, em roda,
Mais humilhado que um mendigo, um verme…

Colaboração de Pedro Malta

CHARGE DO SPONHOLZ

SONIA REGINA - MEMÓRIA

FALTOU A TOALHA NA MESA

Mulheres que costumam gritar que tem os mesmos direitos que os homens, demonstram que, na falta de bons argumentos, preferem reivindicar o fato de serem o “chamado sexo frágil” ou seja, fazem o querem sem ser importunadas por aqueles que zelam pela ordem.

Onde aconteceu? Ora, no Senado Federal! Também esqueceram de estender a toalha na mesa, ou um pano de prato bonitinho. Era dessa forma que fazíamos refeições no passado quando ainda não eram comuns os restaurantes nas empresas, ou os atuais vales refeição. Vai que no auge da raiva e comendo no escuro comecem a errar a boca!

Seres humanos tem direitos iguais e para tanto, devem ser observados alguns quesitos, dentre eles, está o cultivo da inteligência ou ignorância. É só escolher e seguir em frente.

Comendo Marmitas

* * *

TEMPOS MODERNOS

Produzido em 1936, protagonizado por Charlie Chaplin que também: produziu, dirigiu e fez o roteiro.

A Máquina de Comer

* * *

Filme de 1967 com direção de Robert Aldrich. O pano de fundo é a Guerra de 1944. São basicamente três fases: o convencimento de criminosos e o treinamento para participarem de uma missão, a demonstração para o alto escalão do exército dos novos “soldados” e a grande missão quase suicida. O elenco é de primeira linha com destaque para Lee Marvin no papel de Major Reisman e John Cassavetes o condenado Franco.

Os 12 Condenados

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

JOSÉ RAMOS - ENXUGANDOGELO

A BOLANDEIRA, O CAITITU E A PRENSA

A “bolandeira” tocada a boi que movimenta o caititu

Na prática, tudo começava quando Zarraimundo metia a mão no bolso lateral da calça, e dele retirava um relógio de algibeira. Pontualmente às 07:30 horas, fazia soar em alto e bom tom o chocalho velho que fora retirado do boi Genaro, quando esse precisou ser sacrificado. Não conseguia mais andar, dando voltas, para movimentar a bolandeira e essa o cilindro do caititu.

Chegava a hora do trabalho. Oficialmente! Era verdade que, para a maioria que ali estava, o dia começara com o cantar do galo, por volta das 05:30 horas. Ainda escuro, quando todos se aprumavam nos lombos dos animais e partiam para a casa dos Albanos, onde acontecia a farinhada tocada pela cooperativa.

Zarraimundo, o leitor haverá de descobrir, na realidade era o José Raimundo, mas duvido que ele atendesse, quando alguém o chamasse assim. Pequena estatura, conformado com o seu 1,56m de altura e 0,80m de largura, tinha contra si a desproporcionalidade do pé. Calçava 46 ou 48 e nunca comprara sapatos em qualquer loja. Ninguém fabricava essas pontuações. Calçava alpercatas feitas sob encomenda. Vestia calças com suspensórios e usava na cabeça um chapéu de palha que matava qualquer mosca que, desavisada, pousasse ali. Um suor medonho, acumulado de meses e meses.

Mulher no “caititu” cevando a mandioca

Ao som do chocalho o dia começava. O estalar do chicote tangia o boi que conseguia dormir andando em círculos para movimentar a bolandeira e, essa o caititu. A mandioca começava a ser cevada (ralada, ou moída, para muitos) e, dali era transportada em cuias para um saco branco posto numa caixa da prensa. A mandioca ralada transformada em massa, era espremida e, dali saía a massa para peneirar antes de ir ao forno para ser torrada.

A “prensa” espremendo a massa da farinha antes de ir ao forno

Foi hilário quando Dilma Rousseff, inadvertidamente e demonstrando que jamais vira uma “mandioca” entrar no caititu para ser devorada, falou que o tubérculo poderia ser de grande valia para a economia nacional, ávida por mandiocas grossas, fortes e produtivas. É difícil o nordestino conviver sem a farinha. Farinha “soma” em tudo e não “diminui” em nada.

E por mais incrível que possa parecer, a mandioca precisa da água, do vento (o mesmo que a mesma Dilma pretendia ensacar para exportar) como sendo uma Trade Mark de nossa propriedade. As regiões Norte e Nordeste sofrem com a escassez d´água, em que pese o Norte ser rico em rios perenes, mas sem serem utilizados como “tocadores da agricultura”. Peixe é o que tem nos rios perenes da região Norte. E é difícil comer o peixe, sem a farinha.

A farinha – culminância de meses de cultivo e dias de trabalho digno do agricultor

COMENTÁRIO SELECIONADO

PITAQUEIROS DE MERDA

Comentário sobre a postagem NUM ENTENDO DO RISCADO

Adônis Oliveira:

(…)

Portanto, meus amigos, se quiser ficar despreocupado desse tal de “risco-país”, é só o governo (qualquer governo) largar de ser ladrão, tal como o foi o do PT, parar de inventar de fazer caridade com o dinheiro dos outros, tal como fez o do PT e faz todos os ditos de esquerda, pagar tudinho o que deve, que no nosso caso é quase O DOBRO DE TODA A ARRECADAÇÃO ANUAL DE IMPOSTOS, e administrar as finanças governamentais com um pouquinho de vergonha na cara, feito Guedes está tentando fazer e os babacas esquerdistas ficam dando pitacos de merda a fim de desfazer.

JOSÉ DOMINGOS BRITO - MEMORIAL

OS BRASILEIROS: Luiz Gama

Luíz Gonzaga Pinto da Gama nasceu em Salvador, BA, em 21/6/1830. Escravo, soldado, copista, tipógrafo, jornalista, orador, escritor, poeta, rábula e advogado reconhecido pela OAB em 2015, 133 anos após o falecimento. É o “Patrono da Abolição da Escravidão no Brasil” e, segundo o historiador Boris Fausto, dono de uma “biografia de novela”. Um daqueles casos onde a vida real supera a ficção.

Filho de Luisa Mahin, uma negra livre ligada ao movimento de libertação dos escravos, cuja figura foi mitificada pelo Movimento Negro. No entanto não existe documentação alguma confirmando esta informação, levando alguns historiadores a considerá-la uma espécie de alter ego de Luis Gama. Após a Revolta dos Malês, em 1835 (levante de escravos muçulmanos, em Salvador), ela teve que fugir para o Rio de Janeiro e nunca foi encontrada pelo filho. O pai, branco e rico, teve sua fortuna dissipada em jogos e vendeu-o como escravo em 1840 para aplacar a dívida. Foi adquido em leilão por Antonio Pereira Cardoso e passou a viver como escravo doméstico numa fazenda em Lorena (SP)

Após ser alfabetizado, em 1847, fugiu para São Paulo, onde conquistou judicialmente a própria liberdade e passou a trabalhar em diversas atividades. Casou-se em 1850 e passou a frequentar o curso de Direito, como ouvinte, ao lado diversos intelectuais empenahdos na libertação dos escravos. Em 1864, fundou o jornal “Diabo Coxo”, tendo como ilustrador Angelo Agostini, grande caricaturista da imprensa humorística. Dois anos após, com a adesão de Américo de Campos, o trio fundou o semanário “Cabrião”. Em 1869, junto com Ruy Barbosa, fundou o jornal “Radical Paulistano”. Defendia uma pauta antiescravista e republicana e foi um dos fundadores do “Partido Republicano Paulista”, em 1873, em Itu. Nesse meio tempo colaborou com os jornais “Ipiranga”, “Coroaci” e “O Polichinelo”.

A partir daí intensificou sua luta em entidades emancipadoras e sociedades secretas para fugas e ajuda financeira aos escravos e foi líder do movimento “Mocidade Abolicionista e Republicana”. Em seu trabalho como Rábula, atuou na libertação de mais de 500 escravos foragidos. Certa vez, durante um julgamento, proferiu uma frase que se tornou célebre: “O escravo que mata o senhor, seja em que circunstância for, mata sempre em legítima defesa”. Com isto provocou tamanha reação, obrigando o juiz a suspender a sessão. Sua oratória e defesa intransigente dos escravos conferiu-lhe expressiva popularidade entre os pobres e admiração entre os colegas. Sua descrição por Raul Pompeía é eloquente: “… e Luís Gama fazia tudo: libertava, consolava, dava conselhos, demandava, sacrificava-se, lutava, exauria-se no próprio ardor, como uma candeia iluminando à custa da própria vida as trevas do desespero daquele povo de infelizes, sem auferir uma sobra de lucro…E, por essa filosofia, empenhava-se de corpo e alma, fazia-se matar pelo bom… Pobre, muito pobre, deixava para os outros tudo o que lhe vinha das mãos de algum cliente mais abastado.

Foi também, junto com Ruy Barbosa e Joaquim Nabuco, fundador da “Loja Maçônica América”, bastante ativa na luta abolicionista. Quando faleceu, em 24/8/1882, vitimado por diabetes, era o Venerável Mestre da loja. Consta que foi o maior funeral de São Paulo até hoje não superado pela quantidade de pessoas. A cidade contava com 30 mil pessoas e mais de 3 mil acompanharam o enterro até o Cemitério da Consolação. Para conduzir o caixão foi providenciado um coche funerário, mas a multidão não deixou. Diziam que o “amigo de todos”, como era conhecido, deveria ser levado por todos. Antônio Loureiro de Sousa, em 1949, registrou: “O enterro foi um espetáculo inédito: foi o maior de que há notícia naqueles tempos. A multidão que acompanhou o féretro, com todo silêncio e admiração, era obrigada a parar pelos numerosos discursos que interrompiam o cortejo fúnebre”.

Seus poemas estão vinculados à segunda geração do Romantismo. Mas, segundo o crítico José Paulo Paes, “distanciando-se dos literatos da época pelo seu realismo plebeu… Para ele, ser poeta não era debruçar-se sobre si mesmo, num irremediável narcissimo, mas voltar-se para o mundo, medi-lo com olhos críticos, zurzir-lhe os erros, as injustiças, as falsidades”. Sua única obra – Primeiras trovas burlescas -, publicada em duas edições (1859 e 1861) é considerada um dos expoentes do Romantismo. Alguns críticos reclamaram de Manuel Bandeira por não incluí-lo em seu livro “Apresentação da Poesia Brasileira”.

Foi homenageado com seu nome em logradouros de diversas cidades do País e um busto em frente a Academia Paulista de Letras, onde é o patrono da cadeira nº 15. Em 2006, Ana Maria Gonçalves publicou “Um defeito de cor”, saga brasileira, que foi comparada ao clássico norte-americano sobre a escravidão “Raízes”. Além dessa biografia romanceada, sua vida foi retratada em alguns livros: “O precursor do abolicionismo no Brasil: Luís Gama”, por Sud Mennucci, em 1938; “A trajetória de Luís Gama na imperial cidade de São Paulo”, por Elciene Azevedo, em 1999; “O advogado dos escravos – Luís Gama, por Nelson Câmara, em 2010. Em 2008, foi criado em São Paulo o Instituto Luiz Gama, por um grupo de juristas, acadêmicos e militatantes dos movimentos sociais, cuja missão é lutar contra o preconceito e defesa dos direitos dos negros e das minorias no País.

Atualmente o Instituto Pro Bono mantém o “Prêmio Luiz Gama”, entregue anualmente às pessoas que se destacaram na área da advocacia voluntária e produção de conhecimentos jurídicos. Neste exato momento (setembro de 2019) sua videobiografia, realizada pelo cineasta Jeferson De, está sendo preparada para lançamento ainda este ano. O filme “Prisioneiro da Liberdade”, conta com Fabricio Boliveira no papel principal, contracenando com Zezé Mota e Caio Blatt.

DEU NO JORNAL

INJUSTIÇA

As ONGs Imazon e TNT Brasil receberam R$ 25,7 milhões para fazer trabalhos como “monitorar o desmatamento por meio de imagens de satélite”.

Ideia boa, não fosse o fato de que nenhuma delas possui um satélite e o Brasil tem ao menos três sistemas que fazem isso.

O INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) tem dois sistemas (DETER e Prodes) e a Defesa usa o Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam).

* * *

Enquanto isto, a ONG Desmatamento de Pentelhos, que cuida da raspagem profilática de pelos pubianos fêmeos, e é dirigida pelo Complexo Midiático Besta Fubana, não recebe um único tostão.

O nosso serviço é muito importante para a eliminação do piolho de púbis, o popularíssimo chato.

É muita injustiça nesta porra desta distribuição de verbas!!!