DEU NO TWITTER

JOSÉ NÊUMANNE - DIRETO AO ASSUNTO

A HORA DA POESIA

A CRIAÇÃO DA XOXOTA – Mario Quintana

Por ocasião do centenário do grande poeta
gaúcho, versos de puro lirismo!
Sete bons homens de fino saber
Criaram a xoxota, como pode se ver:
Chegando na frente, veio um açougueiro.
Com faca afiada deu talho certeiro
Um bom marceneiro, com dedicação.
Fez furo no centro com malho e formão
Em terceiro o alfaiate, capaz e moderno.
Forrou com veludo o lado interno
Um bom caçador, chegando na hora.
Forrou com raposa, a parte de fora.
Em quinto chegou, sagaz pescador.
Esfregando um peixe, deu-lhe o odor.
Em sexto, o bom padre da igreja daqui.
Benzeu-a dizendo: “É só pra xixi!”.
Por fim o marujo, zarolho e perneta.
Chupou-a, fodeu-a e chamou-a…
Buceta!

Colaboração Pedro Malta

MARCELO BERTOLUCI - DANDO PITACOS

ISSO AQUI SIMPLESMENTE NÃO TEM JEITO

Pois é, na calada da noite a câmara dos deputados aprovou a tal lei do abuso de autoridade. Como sempre repetem nossos políticos, nossos magistrados e nossa imprensa chapa-branca, as instituições brasileiras são sólidas e estão em pleno funcionamento.

A consequência disto é: a chance deste chiqueiro melhorar é ZERO.

Einstein disse uma vez: “Não conseguimos resolver um problema com base no mesmo raciocínio usado para criá-lo.” Nossas “sólidas instituições” não vão mover uma palha para mudar uma situação que elas mesmas criaram em seu próprio interesse.

Alguém acredita que nossos políticos vão criar leis que diminuam a roubalheira e a falta de vergonha da qual eles são os principais beneficiados? Ou que nossos juízes vão parar de pensar que são Deus? Ou que nosso funcionalismo vai passar a pensar que deve viver com os mesmo salários e as mesmas cobranças do resto do povo? Alguém acha que as mudanças que o Brasil precisa virão em um clima de “ordem” e “respeito às instituições” ? Tem que ser muito inocente.

Ahhhh, mas você foi na passeata de domingo, botou camisa da seleção e até tirou selfie para postar no face e no insta, né? Deixa eu contar uma coisa: o Alcolumbre e mais cinquenta e tantos senadores tem sete anos e meio de mandato pela frente. O Toffoli e o Alexandre de Moraes estão garantidos lá até 2042. Eles estão cagando e andando para gente que sai para desfilar no domingo e se orgulha de dizer que fez uma “manifestação pacífica”. Ninguém tem medo de manifestação pacífica. Para eles, uma manifestação pacífica e um rebanho de gado bovino são exatamente a mesma coisa.

O economista Hans-Hermann Hoppe disse: “É ingênuo achar que se pode dar a alguém o monopólio da lei e da ordem e esse alguém não usará seu poder para legislar em causa própria. É ingênuo achar que se pode estabelecer um monopólio da emissão de dinheiro e o dono do monopólio não o usará para imprimir mais e mais dinheiro.” Eu ouso completar: é ingênuo deixar um bando de políticos e sanguessugas acostumar-se a fazer o que quer, e achar que em algum momento eles resolverão, por patriotismo e senso de dever, acabar com sua própria mamata.

A história mostra que existem países que foram construídos por seu povo, e existem países onde o povo sempre abaixou a cabeça e obedeceu às ordens dos poderosos. O Brasil sempre pertenceu, com muito orgulho, ao segundo grupo. Aqui o povo nunca deu palpite. Outros países ensinam às suas crianças sobre revoluções populares e guerras de independência. Nós ensinamos proclamações: Dom Pedro proclamou a independência, Deodoro da Fonseca proclamou a república, Getúlio Vargas proclamou o estado novo amarrando seu cavalo no obelisco. O povo, sempre aplaudindo. Nunca perguntaram a sua opinião, e se alguém perguntasse não saberiam o que dizer.

Diz a sabedoria popular que se o boi soubesse a força que tem, ninguém colocaria uma canga nele. É verdade, mas a questão não é apenas o boi saber a força que tem, mas saber o que fazer com ela. Povos ignorantes como o nosso são mais ou menos como o boi: sabem que tem força, mas não sabem o que fazer com ela. Lembram das manifestações de 2013, durante a Copa das Confederações, o povo gritando “não vai ter Copa”? Sociólogos e antropólogos não sabem até hoje explicar o que foi aquilo: eram milhões de pessoas dizendo que estavam descontentes, sem saber exatamente com o quê; pessoas querendo mudanças, mas sem saber quais mudanças; pessoas exigindo que o governo “fizesse alguma coisa”, sem ter idéia de o que viria a ser esta coisa. Nosso povo era (e ainda é) um boi descontente com a canga, mas sem idéia do que fazer a respeito.

Muitos viram naquele 2013 o início de tempos gloriosos, o povo despertando e tomando em suas mãos o seu destino, blá, blá, blá. Eu fiquei pessimista naquela época e continuo pessimista hoje. O que eu vi foi um povo passando recibo de sua ignorância, escancarando sua incapacidade de ser dono de seu destino, mostrando que se contenta com migalhas de populismo. Afinal, o que mudou depois de tanta manifestação e tanto black-block? O STF continua o mesmo, só que pior, a Câmara e o Senado continuam fazendo o que sempre fizeram, só que com ainda mais descaramento. O Lula está preso? Sim, está, e o Cunha e o Sérgio Cabral também, mas quem dera que fossem só estes os ladrões que roubaram neste país. Prender dez ou quinze políticos é o mesmo que jogar um balde de água em uma floresta em chamas.

Para citar mais um grande nome: Certa vez um jornalista perguntou ao grande Roberto Campos se o Brasil iria falir. Campos respondeu: “Países não podem falir. Países apenas sofrem.”

Continuaremos sofrendo.

DEU NO JORNAL

CHARGE DO SPONHOLZ

EVENTOS

A PALAVRA DO EDITOR

COMENTÁRIO COM EFEITO RETROATIVO

“Talvez vocês já estejam começando, apenas começando, a perceber que colocaram um burro e maluco na presidência do nosso País.”

Esta frase aí de cima foi escrita e assinada embaixo pelo colunista fubânico Goiano, em comentário feito numa postagem aqui nesta gazeta amnésica.

Encerro esta postagem com alguns vídeos para alegrar e animar o nosso sábado.

Um excelente final de semana pra toda a comunidade fubânica!!!



DEU NO JORNAL

DEU NO JORNAL

MEMÓRIAS DO TABACO E DO FURICO

A modelo Solange Gomes, eterna musa da ‘Banheira do Gugu’, lançou nesta semana sua autobiografia e relembrou dos casos vividos com os ex-jogadores de futebol Romário e Renato Gaúcho.

Com o ‘baixinho’, como Romário é popularmente conhecido’, Solange conta em seu livro que apesar dos inúmeros gols feitos dentro da área, fora de lá a coisa não é bem assim. “Conversamos e ele me chamou para jantar. Nós fomos e depois acabamos indo para um motel, na Barra da Tijuca. Chegamos lá, eu com vergonha porque estava ao volante, abaixei o vidro para pedir o quarto e tinha uma tabuleta com a relação de apartamentos e valores”, relata a modelo.

“Tinha do mais barato ao mais caro. E o Romário pediu o mais barato. A suíte standard, que tinha banheira. Na época, foi divulgado nos jornais que ele estava tomando um remédio para calvície, então nesse dia as coisas não aconteceram como deveriam acontecer… Acabou não fazendo o gol”, conta ela.

Já com Renato Gaúcho a coisa é um tanto quanto mais ‘picante’. Solange conta em sua autobiografia que a primeira vez que fez sexo anal foi com o atual técnico do Grêmio.

“Um belo dia Renato cismou que queria fazer sexo anal. Mas não tinha gel na casa. Então, ele foi ao banheiro e voltou dizendo que tinha resolvido o problema. Eu, de costas, não vi o que era. Então passou algo em mim e achou que ia ajudar”, afirma a musa da Banheiro do Gugu no livro, que ainda afirma que “foi à Lua e voltou” tamanha ardência.

“Uma dor insuportável. Uma ardência que eu nunca tinha sentido. Eu era virgem de c… e perdi com ele. Foi frustrante. Culpa do xampu. Hoje, eu me lembro e dou risada. Mas fiquei dias sem andar direito e só fui falar com ele depois de um tempo”, contou ela.

* * *

Uma comovente e terna recordação: tomou no olho do furico através da pajaracada que levou de Renato Gaúcho.

E sentiu uma ardência descomunal, como relata em sua autobiografia.

Pra completar o serviço, tomou também naquela racha onde o sol não bate.

Serviço completo!!!

Já com Romário, o unha-de-fome, a brochada foi frustrante… O Baixinho também é baixo de tesão.

Acabei de enviar uma mensagem pra talentosa artista-escritora.

Coloquei à disposição dele o jegue Polodoro, mascote desta gazeta escrota, já informando que nosso estimado jumento não brocha nunca!!!

Em atividades fudetórias tabaquísticas furicais, Polodoro é imbatível!!!

Polodoro aguardando ansioso uma resposta da memorialista Solange