CHARGE DO SPONHOLZ

JOSÉ NÊUMANNE - DIRETO AO ASSUNTO

DEU NO JORNAL

DEU NO TWITTER

AUGUSTO NUNES

A HORA DA POESIA

EPITÁFIO – Bocage

Lá quando em mim perder a humanidade
Mais um daqueles, que não fazem falta,
Verbi-gratia – o teólogo, o peralta,
Algum duque, ou marquês, ou conde, ou frade:

Não quero funeral comunidade,
que engrole sub-venites em voz alta;
Pingados gatarrões, gente de malta,
Eu também vos dispenso a caridade:

Mas quando ferrugenta enxada idosa
Sepulcro me cavar em ermo outeiro,
Lavre-me este epitáfio mão piedosa:

“Aqui dorme Bocage, o putanheiro:
Passou a vida folgada, e milagrosa:
Comeu, bebeu, fodeu sem ter dinheiro.”

Colaboração de Pedro Malta

PEDRO MALTA - REPENTES, MOTES E GLOSAS

CHARGE DO SPONHOLZ

CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

JACOB FORTES – BRASÍLIA-DF

SALVAGUARDANDO OS TRABALHADORES

É do conhecimento público que o peso de um saco de cimento é de 50 quilos. Esse exagero não é exclusividade das indústrias cimenteiras. Outras embalagens, ou fardos, apresentam pesos ao derredor desse patamar. O despautério se agrava com o prescrito pelo artigo 198 CLT, (decreto lei 5.452/43), do seguinte teor:

“É de 60 kg (sessenta quilogramas) o peso máximo que um empregado pode remover individualmente, ressalvadas as disposições especiais relativas ao trabalho do menor e da mulher”.

Essa exageração, de contornos escravistas, flagrantemente contrária à capacidade de um homem adulto, concorre para produzir efeitos maléficos à saúde dos trabalhadores, muitos dos quais, por comprovada incapacidade, passam a onerar, na condição de beneficiários, o erário, ou seja, o bolso do contribuinte.

Diferentemente desse contrassenso tupiniquim, os Estados Unidos há decênios dedicam-se à ergonomia do trabalho, (estudo científico das relações entre o homem e a máquina), criação do estadunidense Taylor, (Frederick Winslow Taylor, 1856-1915), engenheiro mecânico autor da teoria mecanicista da Administração.

Os sobreditos pesos, que infligem labor desapiedado, estão mais para o King Kong do que para a compleição dos brasileiros, aliás meãos de estaturas. Destarte, em prol do que é justo, os órgãos competentes, inspirados nos postulados básicos de Taylor, poderiam tomar o conveniente alvitre de realizar estudos que contribuam para nitidificar essa realidade, descuidada, e, outrossim, estabelecer parâmetros compatíveis com a real capacidade dos brasileiros. De brinde, a folha de pagamento do Instituto Nacional do Seguro Social-INSS, receberia um adjutório.

A presente ideia mudancista tem por escopo salvaguardar a saúde dos trabalhadores.

DEU NO JORNAL

BURGUESES GOLPISTAS INVADEM O BRASIL

Ocupações crescem e mais de 1,3 mil venezuelanos vivem em prédios abandonados em Roraima.

Com abrigos lotados, desemprego e chegada em massa de venezuelanos, ao menos dez prédios abandonados foram ocupados por imigrantes em Boa Vista.

Nas invasões, rotina é precária e incerta:

“Se nos tiram, vamos morar na rua”.

* * *

Lula, proprietário do PT e atualmente cumprindo pena por corrupção e lavagem de dinheiro, deu ordens a Gleisi Amante, gerente do estabelecimento, para que ela emita uma nota ainda hoje sobre este assunto.

Uma nota dizendo que estes venezuelanos que ocupam Roraima são todos golpistas e reacionários.

Lula garante que estes burgueses estão envolvidos num movimento para derrubar o companheiro Maduro, um dos maiores estadistas da America Latrina e um democrata de coração aberto.

O fubânico luleiro Ceguinho Teimoso, brilhante elaborador de textos, vai ajudar Gleisi Amante a redigir a nota.

Lula assegura que na Venezuela nada falta, que jorra leite e mel nas praças e que os gêneros alimentícios ficam entulhados nas calçadas à disposição do povo. 

“Conte sempre cum eu, cumpanhero Maduro”